​Quais as diferenças entre medo e fobia?

A fobia é um transtorno de ansiedade, que afeta mais pessoas do que se imagina. Mas, quais as diferenças entre o medo e a fobia? Como saber que o que se sente deve ser tratado?

10 NOV 2017 · Leitura: min.
​Quais as diferenças entre medo e fobia?

A maioria das pessoas entende como fobia um estado de medo intenso. Chegam inclusive a estar familiarizados com os nomes das fobias mais populares: a aracnofobia (medo de aranhas), claustrofobia (medo de lugares fechados) e agorafobia (medo de lugares abertos que podem envolver multidões). Mas saberiam diferenciar o medo de um quadro de fobia?

A psicóloga Maitê Hammoud inicia hoje uma série sobre fobias, na que tentaremos abordar os quadros menos conhecidos, mas que igualmente atingem um grande número de pessoas. Antes de avançar, é fundamental diferenciar o que é fobia do que não é. Confira!

O que é o medo?

O medo é uma resposta natural e saudável de nosso organismo. Sua principal função é a preservação da vida. Na presença de estímulos que representam riscos ou perigos que ameaçam a vida ou integridade da pessoa, o organismo involuntariamente libera uma série de compostos químicos, mobilizando o corpo. Esses sinais de alerta levam a duas respostas principais: confronto ou fuga.

O que é a fobia?

A fobia é um transtorno de ansiedade que desencadeia medos persistentes e acentuados, diante da exposição ou da possibilidade de exposição a situações ou estímulos entendidos como ameaçadores. As respostas a esse quadro são desproporcionais, provocando desgaste e intenso sofrimento.

Algumas características costumam estar presentes nas manifestações dos quadros de fobia. São elas:

  • A exposição ao estímulo temido desencadeia quase que imediatamente uma resposta de ansiedade. Daí vem os sintomas físicos característicos: taquicardia, vertigem, sudorese, mal-estar, falta de ar, tremores, fuga, desmaios, entre outros.
  • As manifestações dos sintomas de ansiedade podem culminar em um ataque de pânico.
  • Quem tem fobia costuma reconhecer seu medo como irracional e desproporcional. Mesmo assim, não conseguem controlar.
  • É normal que o estímulo fóbico passe a ser evitado. O medo intenso interfere na rotina da pessoa, impactando estudos, trabalho e vida social.
  • As manifestações de ansiedade podem acontecer antes mesmo que haja uma exposição àquilo que desencadeia a fobia, já que as preocupações com o futuro (próximo ou distante) são ameaçadoras.

É importante compreender que o medo intenso característico da fobia costuma persistir por mais de 6 meses. Quando isso ocorre, é fundamental procurar a ajuda de um profissional.

Além disso, vale lembrar que fobia pode ser desencadeada com ou sem a experiência de um evento traumático relacionado ao medo. A maioria das pessoas deixa de buscar ajuda por acreditar que, por nunca ter sofrido um trauma marcante com o estímulo estressor, não se trataria de fobia.

medo.jpg

Quais os subtipos das fobias?

Os subtipos servem para agrupar as fobias segundo as classes de estímulos desencadeadores do medo. Os principais são:

  1. Animal: fobias desencadeadas por medo de aranhas, baratas, abelhas, borboletas, pássaros, sapos, ratos, animais selvagens, etc.
  2. Ambiente natural: fobias desencadeadas por fatores do ambiente natural, tais como tempestades, água, altura, raios, etc.
  3. Sangue-injeção-ferimentos: fobias desencadeadas pela exposição a sangue, ferimentos e diferentes procedimentos, como vacinas, injeções, coletas de sangue, transfusões de sangue, entre outros.
  4. Situacional: fobias desencadeadas por situações específicas que podem envolver uso de transportes coletivos, túneis, pontes, elevadores, aviões, dirigir, locais fechados, entre outros.
  5. Outros tipos: fobias desencadeadas por situações menos concretas, podendo envolver temor da morte, perda de sentidos, trajes, fantasias, envolvimentos afetivos, situações que possam levar à asfixia, ao vômito ou a contrações de doenças, etc.

Como tratar as fobias?

Estima-se que as primeiras manifestações de um quadro de fobia ocorram ainda na infância. Quando não é assim, costuma acontecer no início da vida adulta, com aproximadamente 20 anos de idade. As fobias são mais comuns entre mulheres, mas atingem a ambos os sexos.

Para tratar a fobia é altamente recomendado uma abordagem multidisciplinar, com médico psiquiatra e psicólogo. Isso porque, por se tratar de um transtorno de ansiedade, considerado psicossomático, os impactos e prejuízos afetam tanto a saúde física quanto a psíquica.

Para alguns casos, a terapia ocupacional também pode ser indicada, já que, dentre as atividades conduzidas pelo profissional, está o acompanhamento do paciente a locais em que há a presença dos estímulos temidos, o que a médio e longo prazo favorece sua confiança e permitem um processo de aprendizagem.

Leia mais: Pistantrofobia: você sabe o que é?

Leia mais: Fobias de relacionamentos: conheça as 3 mais comuns

Fotos: por MundoPsicologos.com

Escrito por

Maitê Hammoud

Psicóloga Número do CRP: 06/112988

Psicóloga clínica com curso de aperfeiçoamento em psicanálise, é especialista no atendimento de adolescentes, adultos e terceira idade. Seguindo a abordagem psicanalítica e da terapia breve, atua com foco em transtornos emocionais e comportamentais, relacionamentos interpessoais e questões familiares.

Ver perfil
Deixe seu comentário
1 Comentários
  • Thereza

    Bom dia Mta dificuldade passar p túnel, elevador cheio..ónibus.metro...qqalugar cheio não fico...medo dirigir..de tomar decisões..preciso de. Ajuda

últimos artigos sobre fobia