Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Fobia dentária

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Apesar dos avanços tecnológicos da odontologia moderna, o medo e a ansiedade ainda estão presentes em crianças e adultos, estabelecendo uma barreira para a atenção bucal.

25 NOV 2014 · Última alteração: 26 NOV 2014 · Leitura: min.
Fobia dentária

O cuidado com a saúde bucal é uma atividade indispensável a todos, independentemente da idade, poder aquisitivo ou escolaridade. Dentre as pessoas que buscam atendimento odontológico, alguns apresentam medo, interferindo no atendimento. Tal fobia, conhecida como odontofobia ou fobia dentária, conduz o paciente a acreditar que serão submetidos a algum procedimento intolerável durante o tratamento.

A fobia dentária induz o paciente a ter medo de sentir dor; da anestesia; dos instrumentos e equipamentos; de sangue; e dos efeitos imediatos dos procedimentos odontológicos como inchaço prolongado da boca ou bochechas, por exemplo.

Para ajudar a superar esse medo, a psicologia aplicada à odontologia traz conhecimentos teóricos e técnicos para avaliar, controlar e modificar os comportamentos que o indivíduo sofre com a fobia dentária.

Os procedimentos de intervenções por parte da psicologia podem ser utilizados em todas as áreas da odontologia, como a clínica geral ou até as especialidades, incluindo a ortodontia (especialidade que ajusta a posição dos dentes e dos ossos maxilares dispostos de forma imprópria), a periodontia (tratamento que visa à cura de processos inflamatórios e infecciosos da gengiva) e a endodontia (tratamento odontológico que visa tratar o canal dentário comprometido).

A fobia pode ter surgido a partir das primeiras experiências infantis com tratamentos odontológicos mal conduzidos, ou com os relatos dos pais sobre as próprias experiências traumáticas, ou com a ideia vendida nos programas de televisão que insistem em caricaturar os profissionais da odontologia como agressivos e sanguinários; contribuindo com o desenvolvimento de crenças disfuncionais acerca das situações de tratamento odontológico.

Dentre os tratamentos psicológicos existentes, há a modelação: que é um procedimento onde a criança assiste a um vídeo contendo cenas de outra criança que passou pelo o mesmo procedimento odontológico que ela irá passar e depois o relaxamento muscular é administrado com o intuito de suavizar a tensão muscular da criança através de estímulos mentais por meio de imagens. Já a distração, apresenta atrativos conflitantes com a tensão psicológica, como colocar o paciente para ouvir música durante todo o procedimento, por exemplo.

A estudante de Odontologia da Universidade Federal de Uberlândia, Thais Thereza Basso do Prado, orientada pela Profª DªFabiana Sodré de Oliveira através do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/CNPQ/UFU, está desenvolvendo um estudo com o objetivo de conhecer o tratamento odontológico sob o olhar da criança através da interpretação do desenho infantil.

Thais Prado relata que o medo da anestesia é muito presente na sua pesquisa. "Apesar dos avanços tecnológicos da odontologia moderna, o medo e a ansiedade ainda estão presentes em crianças e adultos, estabelecendo uma barreira para a atenção bucal", afirmou.

Portanto, a ajuda psicológica será de grande auxílio, pois é possível tratar fobia dentária. Entretanto, não há mágicas. Pois depende do paciente querer enfrentar gradualmente todos os pensamentos catastróficos existentes.

Escrito por

ReConecta Assessoramento

Ver perfil
Deixe seu comentário

últimos artigos sobre fobia