Não pode se deslocar a nenhum consultório?
Encontre um psicólogo online
Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Vínculos e afetos - Tutu mais precioso que dinheiro

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Animais de estimação estabelecem com seus donos vínculos de reciprocidade e dependência essenciais. São terapêuticos e fundamentais, portanto, a posse responsável é foco deste artigo.

4 FEV 2016 · Leitura: min.
Vínculos e afetos - Tutu mais precioso que dinheiro

Demorei. Era pra ser breve. Só mais um artigo científico, mas aqui vai meu coração. Dor. Processo de luto leva tempo. Quão difícil é dizer adeus... Infelizmente, não contava com a morte do meu Fox Paulistinha, conosco há quase 15 anos.

Fatalidade. Velhinho e debilitado foi "assassinado" por um gato?! Defendeu minha mãe idosa do invasor: gato de rua fugitivo de atropelamento. Tutuzinho era herança viva de meu pai e engatou muitas outras perdas e lutos...

Recordei-me de muitos pacientes - "crianças" de todas as idades - que choraram copiosamente em meu divã ao elaborarem o luto por animalzinho de estimação. Amigo peludo - verdadeiro e incondicional - quase gente da família mesmo. É muito intenso o vínculo entre donos e animais e reciproca a dependência emocional, por isso escrevo em defesa da posse responsável.

Seu último olhar foi de despedida. Em prantos lhe prometi que iria para o Céu dos Cachorros e que o Papai o estava esperando. Infantil? Questionei minhas verdades. Finda a Ciência recorri à Religião para serenar meu coração... Olhar espírita, católico, evangélico, budista, etc. Torturava-me pensar que poderia ter mentido para meu cãozinho.

Péssimo. Mentir pra si é mesmo a pior mentira. Inexiste para os animais vida após a morte? Aliás, resgatei na fé diferenciações que fazem sobre alma e espírito. Consolava-me biblicamente saber que o justo necessita cuidar bem de seus animais. Acabara a responsabilidade? E o depois? Localizei na rede um artigo adventista compreensivo e continente do Leandro Quadros. Senti-me abraçada e colocada no colo.

Sabemos que os animais domésticos são inconscientemente para crianças como filhos. Somente para elas?!!! Também, vivenciamos com eles o apego e o desapego, a aprendizagem de perdas e lutos, sobretudo, o lidar com a grande verdade e certeza. Vida e Morte. Somos seres deste planeta. Somos mortais. E as nossas origens? E o nosso final?

Hoje, não estou pronta pra ser proprietária de um novo animal. Paradoxo. Deleito-me com o gato da Clínica vizinha. "Presente" emprestado da veterinária Itsue que cuidou por trinta anos de nossos amados cães. O gatão fogoso é lindo e fofo. Detalhe. Transgeracionalmente tinha ressalva aos gatos.

Motivo? Descobri recentemente que minha mãe fora atacada na infância. Curiosamente o branquíssimo White se apoderou generosamente de nosso quintal e abrandou o medo de minha progenitora. É nosso amigo incondicional. Raio de luz e sol. Meu "animalzinho de estimação"... Vida... Superação. Perdas e ganhos!!!

Escrito por

Eliane Pereira Lima

Ver perfil
Deixe seu comentário

últimos artigos sobre luto