Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Como controlar a raiva

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

A raiva é uma reação natural à frustração, às situações em que você se sente injustiçado. Porém, cuidado com esse sentimento, pode ser muito nocivo. Entenda por que e aprenda a controlá-lo.

23 ABR 2018 · Leitura: min.
Como controlar a raiva

A raiva é um dos sentimentos mais nocivos que existe, capaz de fazer mal não só a quem é alvo dela, como também àquele que a sente. Obviamente é uma reação natural diante da frustração, da decepção ou da impotência. Porém, precisa ser controlada, para que não afete os relacionamentos em todas as esferas da sua vida.

Todas as respostas que a raiva desperta em você podem ser consideradas prejudiciais. A pressão arterial aumenta, o ritmo cardíaco fica descontrolado, é possível que haja dificuldade para respirar, problemas para se concentrar e dormir. Quando isso se repete ao longo de dias, vai minando a energia da pessoa, que reage de forma agitada, amargurada e com mal-humor.

É importante se conscientizar sobre como a raiva invade você, quais são os seus comportamentos que ajudam a alimentar esse sentimento, para então colocar em prática estratégias eficientes para enfrentá-la. Mundopsicologos.com ajuda você com esse processo, compartilhando 7 dicas para controlar a raiva:

1) Respire fundo e conte até 10

Não é apenas um conselho, está cientificamente comprovado que as pessoas com raiva ficam muito excitadas e tendem a agir por impulso. Para evitar que essa emoção tome conta de você, conte até 10 devagar, ou até quanto necessitar, até sentir que sua respiração está mais tranquila e que você já não está tão exaltado.

2) Reconheça a falta de controle

A raiva é uma emoção muito pessoal. Apesar de ser despertada por um agente externo (uma situação ou uma pessoa), são suas limitações no controle emocional que a permite avançar. Você tem o poder de controlá-la, ninguém mais. Conscientize-se sobre a sua responsabilidade no processo e entenda que a raiva não pode ser usada como desculpa para qualquer atitude.

3) Não negue suas emoções

Para não se sentir vulnerável, ao entender que está perdendo o controle da situação, muitas pessoas preferem negar a raiva e todas as emoções que ela desencadeia. Isso é uma equivocação. Somente quando você é capaz de analisar e compreender seus sentimentos, que poderá ordená-los em categorias distintas, tratando de não recorrer às manifestações agressivas ou violentas.

shutterstock-421045774.jpg

4) Distraia a sua mente

É importante encontrar um novo foco de atenção para ajudar a diminuir a força das emoções negativas. Pode ser uma atividade lúdica ou de lazer, como fazer palavras-cruzadas, jogar com o celular ou escutar música. Também vale ligar para um amigo para conversar sobre outros temas. Você se desconecta daquilo que desperta a raiva em você e consegue relaxar.

5) Analise as causas e os resultados

É muito importante que você aprenda a interpretar corretamente aquilo que desperta a raiva em você, pois nem sempre é tão importante assim. Posturas extremas e exageradas devem ser evitadas. Faça o exercício de tentar perceber o que há de positivo ao seu redor e, diante de algo negativo, tente não reagir de forma imediata. Pense antes.

E quando tiver um ataque de raiva, não deixe de escrever sobre o que o causou, como você se sentiu e, especialmente, quais foram os resultados, se você ganhou algo com a sua postura.

6) Aprenda a expressar sua raiva de forma positiva

Além do recurso de escrever sobre esse sentimento, suas causas e efeitos, conversar sobre o tema com alguém de sua confiança também é importante. Desabafar ajuda você a controlar o seu emocional, e a perceber em que momentos a raiva se manifestou de forma indiscriminada.

7) Pratique o perdão

Não se trata de esquecer aquilo que provoca a raiva, mas de colocar um ponto final no que faz você perder tanta energia: ficar repassando mentalmente os detalhes do ocorrido e desejando "justiça". O perdão é fundamental para avançar, e não significa concordar com o que passou. Você, na verdade, o pratica também para o seu bem, para não ser consumido pelos sentimentos negativos.

Fotos: MundoPsicologos

psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.com

Deixe seu comentário
1 Comentários
  • maria

    tentei fazer tudo isso mas não adianta

últimos artigos sobre agressividade