Respiração diafragmática

A respiração diafragmática é excelente para aliviar os sintomas psicofisiológicas resultantes dos pensamentos disfuncionais.

22 OUT 2014 · Leitura: min.
Respiração diafragmática

No processo de respiração, quando inspiramos, o diafragma desce e expande o abdômen aumentando o seu espaço interno e a sucção de ar. Quando expiramos, ao contrário ele sobe, comprimindo os pulmões e empurrando o ar para fora.

Devido o stress e correria da vida esse mecanismo vai aos poucos diminuindo a intensidade de sua função, fazendo com que a maioria das pessoas respiram como se ele não existisse. Essas pessoas respiram como se o ar fosse até o peito na parte superior dos pulmões, fazendo com que ela fica mais breve e rápida. O resultado é uma menor oxigenação do organismo e um aumento das reações fisiológicas causadas pela ansiedade.

A respiração ideal chamada diafragmática é necessária porque expande o diafragma e leva o oxigênio até o abdômen, o corpo e o cérebro. Em casa, na rua, na condução, no trabalho, nos estudos ou no trânsito qualquer pessoa pode fazer a respiração diafragmática, aliviando assim as crises de ansiedade, tensão e stress.

É o momento da iniciativa, saber que tem uma ferramenta preciosa contra a ansiedade e tomar a iniciativa. É o começo da eliminação do mal-estar e o restabelecimento do equilíbrio e também para o relaxamento, desconstruindo o mecanismo de luta ou fuga causado pela respiração inadequada.

A ansiedade generalizada e as crises de pânico também podem ser descaracterizadas e sua intensidade diminuída através da prática de uma respiração diafragmática adequada.

Como fazer uma respiração ideal?

  1. Coloque-se de forma confortável sentado ou deitado
  2. Coloque a mão no abdômen (barriga) próxima ao umbigo
  3. Feche os olhos e concentre-se em sua respiração
  4. Inspire pelo nariz e encha os pulmões de ar, leve-o até o abdômen, percebendo que ele se movimenta. Você pode imaginar que está enchendo uma bexiga que está dentro de sua barriga. Ao inspirar conte até quatro (mentalmente) para que o pulmão e o abdômen fiquem expandidos
  5. Retenha o ar por dois tempos (conte até dois mentalmente), mantendo a barriga e os pulmões cheios
  6. Expire lentamente pela boca, contando até cinco, esvaziando completamente o pulmão e o abdômen
  7. Reinicie os movimentos após reter os pulmões vazios por dois tempos

Evite excesso de movimento torácico durante os movimentos respiratórios fazendo mais movimentos abdominais. Faça o exercício respiratório por dez vezes, praticando por aproximadamente três a cinco minutos. Caso você sinta tontura ou veja "bolinhas" ao abrir os olhos, saiba que isso é normal e vai desaparecer. Isso acontece, porque o cérebro recebe mais oxigênio do que está acostumado, mas é interessante ir se adaptando ao ritmo de forma que fique confortável e não gere sensação de náusea.

Para que a respiração ideal seja de fácil acesso na hora da necessidade, é de suma importância que seja praticada em momentos da vida, que a pessoa esteja tranquila e desacomodada de sintomas desagradáveis, treinando-a todos os dias em vários momentos e situações para ir acostumando seu organismo e torná-la aos poucos mais automática.

Escrito por

Waldir de Oliveira

Ver perfil
Deixe seu comentário
1 Comentários
  • Mano

    Não sei respirar corretamente? O que faço?

últimos artigos sobre stress