Processo psicoterapêutico e mudança do modo de ser no mundo

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Não temos como estar no mundo sem os outros, mas podemos escolher a formar como iremos nos relacionar

21 Ago 2019 · Leitura: min.
Processo psicoterapêutico e mudança do modo de ser no mundo

O processo psicoterapêutico ocorre a partir de um vínculo entre cliente e psicoterapeuta, o que envolve uma relação com o outro. Porém com uma importante especificidade, porque é mediada pelo conhecimento psicológico. No nosso caso, a compreensão do que constitui o psicológico é fundamental, isto é, o que é vivido pelo(a) cliente, que corresponde a sua bagagem histórica e social experimentada em certas situações. Mas o sentido de tal processo é o encontro da pessoa consigo própria, sentindo-se segura ao vivenciar-se junto com os outros no mundo.

A expressão "ser no mundo", tão cara a uma perspectiva existencial da realidade trata-se simplesmente de compreender que estamos aí no mundo. Mas, os outros também estão, com seus valores e dramas. Para viver no mundo cabe-nos fazê-lo junto com as outras pessoas. Por isso, justamente, a experiência de solidão é tão sofrida.

Não temos como estar no mundo sem os outros, mas podemos escolher a formar como iremos nos relacionar, seja com colegas de trabalho, além de pessoas com quem convivemos em outras instituições que possamos participar, seja no relacionamento amoroso, com amigos e familiares.

Costumamos utilizar palavras para situar-nos nestas relações, que geralmente, implicam certas práticas ou comportamentos.

Podemos citar aqui alguns valores: respeito, empatia, além de desrespeito, crueldade, ignorância. Expressamos estes valores e tantos outros por meio do que pensamos e fazemos, sempre, é claro, num certo contexto situado no tempo e no espaço.  

A constituição de nossa personalidade é mediada pela forma como estabelecemos a relação com os outros, desde bebês até a velhice. E também, do estímulo que recebemos para fazermos uma reflexão sobre o que fazemos, quem somos e o que queremos.

Neste sentido, o encontro consigo mesmo mediado por uma psicoterapia deverá ocorrer ao mesmo tempo em que damos novos sentidos a forma como nos relacionamos com os outros. Por meio da reflexão, passamos a conhecer como nos tornamos a pessoa que somos e, ao mesmo tempo, como mudamos e como poderemos mudar.

A psicologia com a qual trabalhamos propõe-se mediar nossos clientes, por meio da psicologia, como ciência e profissão engajada em ligar as questões do sujeito as históricas e sociais.

Isso é muito importante, simplesmente porque nem tudo depende apenas de nós, pois, estamos numa sociedade, em dado momento histórico, temos um corpo (idade, gênero, sexo, condição de saúde, etc.) e uma história pessoal (formas de pensar e sentir, habilidades para agir, desejos e sonhos). Além do mais, cada pessoa tem sua própria voz e protagonismo no processo psicoterapêutico e ao longo dele, entende o que e como quer mudar em sua vida.

Escrito por

Andréa Luiza da Silveira

Deixe seu comentário