Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Como saber se seu ego domina você

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Suspeita que o seu ego domina você? Se pergunta como pode saber se passa realmente? Se preocupa sobre o que pode acontecer se for verdade e o que fazer a respeito? As respostas neste artigo.

26 JUL 2019 · Leitura: min.
Como saber se seu ego domina você

Ego normalmente é definido como uma valorização excessiva sobre si mesma/o. Ou seja, a opinião que a pessoa tem de si está distorcida e tende a ser uma imagem de grandeza, pouco objetiva ou fiel à realidade. As pessoas que se deixam levar pelo ego normalmente se sentem superiores aos demais e, não raras vezes, assumem falas pedantes e que roçam o desejo de humilhar os demais. 

"Eu sou, eu fiz, eu consegui, eu conquistei..." Frases como essas são uma constante, inclusive nos casos em que o logro é responsabilidade de outra pessoa. As pessoas domadas pelo ego não conseguem ver a diferença, e se sentem merecedores dos elogios e admiração.

Mas, na realidade, esse ego costuma ser uma máscara. A maioria das pessoas que se deixam dominar pelo ego necessitam a aprovação dos demais e esperam reconhecimento social. Por quê? No fundo, existe um sentimento de insegurança e um medo latente a ser rechaçada/o. É como o Venon, na saga do Homem Aranha. No seu dia a dia, Peter Parker é um rapaz inseguro e cheio de dúvidas, mas, ao colocar seu traje negro, se transforma em uma pessoa arrogante e egocêntrica.

É um paralelismo que acontece com aquelas pessoas que se deixam controlar pelo ego, e o grande problema é que raras vezes são capazes de reconhecer que vão vestidas com esse "traje". Acaba se transformando como uma segunda pele e elas se convencem que realmente são assim.

Seria este o seu caso? Faça o teste e descubra qual é a relação com o seu ego:

Como saber se o ego domina meus atos?

O primeiro passo é começar um processo de autoanálise:

  1. Se arrisca pouco e está na zona de conforto: você se dá inúmeras desculpas para não mudar algo na sua vida, e o faz por medo a fracassar. Tenta dominar seu território e sentirse cômada/o, porque na realidade tem medo do desconhecido.
  2. Falsa alta autoestima: você pode se surpreender falando coisas positivas para si mesma/o, coisas nas que realmente não acredita. Com o simples fato de dizê-las em voz alta parece transformá-las em realidade. Você necessita se convencer das suas habilidades, recursos e conquistas, e pede aos demais que verbalizem essas mesmas coisas, para inflar sua autoestima (que se desinfla com rapidez).
  3. Se sente mal quando não te reafirmam ou reconhecem seu valor: essa necessidade de reconhecimento constante é seu motor, o que os demais pensam de você é o que reforça sua identidade. Se você não recebe esse feedback, se sente mal, triste, indignada/o e nervosa/o. Sempre está formulando perguntas aos demais para lograr essa aprovaçao: "Como você vê isso que eu fiz?", "Ficou excelente, nao é mesmo?". Normalmente, diante desse tipo de questionamento, as pessoas costumam não divergir.
  4. Tenta ser o centro da atenção: encena suas explicaçoes para chamar a atenção dos demais, além de se vangloriar do que tem, de seus conhecimentos, do seu físico... isso quando não está dando a sua opinião sem ter sido solicitada ou quando não é pertinente porque foge do núcleo da conversação.
  5. Está todo o tempo analisando os demais: você está sempre pendente da impressão que pode causar nos demais, e está mais atento a isso do que à situaçao propriamente dita.
  6. Rompantes de raiva: quando você é contrariada/o ou percebe que há outras pessoas tentando controlar a situação, você se sente ameaçada/o. Sua reação costuma ser agressiva ou demasiado radical. Todas as críticas são entendidas como ataques pessoais, e você se sente extremamente ofendida/o.

Quais os riscos de ser dominada/o pelo ego?

Chegados a este ponto, a resposta mais habitual quando uma pessoa se deixa dominar pelo ego é o rechaço social, que é justamente o oposto ao desejado. É bastante provável que as pessoas a seu redor se distanciem progressivamente e que as amizades sejam pouco duradouras, quando existem. As consequências diretas são uma exacerbação das características já mencionadas, para contrabalançar o sentimento de mal-estar, além de aparecimento de sentimentos culpa, apatia e frustração.

Para buscar um equilíbrio e não deixar que o ego domine você, é importante:

  • perguntar-se porque necessita a aceitação exterior para ser feliz. Está claro que todos gostados de ser valorizados e reconhecidos, mas é melhor potencializar a capacidade de autoanálise que a dependência dos demais.
  • aprender a ser humilde e direto. Não é uma qualidade achar-se mais que os demais, o caminho correto passa por valorizar seus esforços, suas conquistas, mas também ser consciente dos seus erros. Fazer autocrítica quando necessário e celebrar os logros quando seja oportuno.
  • deixar de lado sua autoexigência: o perfeccionismo ajuda a progredir, a crescer, mas também pode ser muito nocivo. Tente estabelecer metas realistas e entenda que a perfeição não existe, por isso é uma perda de tempo continuar buscando por ela.
  • permita-se desfrutar das pequenas coisas e valoriza o que está a seu redor. Busca o lado positivo da vida, reconheça as qualidades dos demais, reconhecendo que haverá aspectos em que serão melhores e mais aptos que você, e que não há problemas nisso. Trabalhe suas potencialidades e não queira ser boa/bom em tudo.
psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.com

Deixe seu comentário
6 Comentários
  • Denison Carvalho

    Isso tudo descreveu perfeitamente minha namorada, ainda vou conversar com ela sobre quando for oportuno

  • Cristiane Valias

    Perfeito, me descreveu. E vai me ajudar a refletir e a melhorar. Gratidão.

  • Rosilene Souza Santos

    Muito legal, acho que ajuda a todos que leem. Parabéns!!

  • Érica Ribeiro De Souza

    Muito bom esse teste, é um belo exercício para a nossa mente.

  • Rosangela Ribeiro de Oliveira

    Nossa estou surpresa, é muito exato o teste!

  • Joana

    O texto é bom, porém muitos erros de digitação.

últimos artigos sobre desenvolvimento pessoal