O que todos queremos

Ser mais feliz e mais saudável enquanto passamos pelas experiências mais desafiadoras da vida. Viver da melhor maneira possível, ter uma razão para existir, ter respeito por si mesmo.

18 MAI 2016 · Leitura: min.

PUBLICIDADE

O que todos queremos

O que queremos pode ser definido em viver da melhor maneira possível, aproveitar as coisas boas da vida, como família, amigos, lazer e saúde ,viver com o mínimo possível de medo, culpa, depressão, raiva e ansiedade e ter uma razão para existir. Também em ter respeito por si mesmo, pelo que é e pelo que faz, acreditar em você o suficiente para se mostrar ao mundo, ter equilíbrio e ao mesmo tempo querer buscar mais e ser mais feliz, mais saudável, enquanto passa pelas experiências mais desafiadoras da vida.

Desde pequenos, desenvolvemos regras para organizar nossas experiências de forma coerente e adaptativa, e desta forma, vamos aprendendo sobre nós, sobre o mundo e sobre as outras pessoas. Às vezes essas regras acabam por tornar-se rígidas, e aí temos problemas.

A ansiedade, por exemplo, pode vir dessa rigidez, mas ela, originalmente, é apenas um estado emocional intenso diante de uma situação de ameaça, e quando ameaçados, buscamos reagir para preservar nossa segurança. É uma resposta de adaptação, essencial para nossa sobrevivência. Ela deixa de ser positiva e normal, quando acreditamos que o que está acontecendo é mais perigoso do que realmente é.

Evidentemente, algumas pessoas ficam menos ansiosas do que outras, diante de uma mesma situação, depende do significado que cada um dá a essa situação. E nesses momentos de tensão e ameaça, é que podemos ver claramente a interdependência entre as três instâncias - corpo, mente e emoção.

Com este olhar mais completo de nós mesmos, percebemos que, muitas vezes participamos ativamente do processo de adoecimento, mas também podemos participar ativamente do resgate e da manutenção da nossa saúde. O alto nível de ansiedade, bem como o estado de estresse cronificado, podem nos levar a reagir de forma inadequada e por vezes desproporcional, causando danos ao nosso equilíbrio.

O atendimento do psicólogo lhe possibilita alternativas para repensar na forma como vem se relacionando consigo e com os outros, tendo como resultado a possibilidade de obter respostas mais próximas de suas necessidades, interesses e desejos, e ,assim, poder buscar "o que todos queremos".

PUBLICIDADE

Escrito por

Carpeendi Psicologia

Ver perfil
Deixe seu comentário

PUBLICIDADE

últimos artigos sobre autoestima