Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Como manter a individualidade dos gêmeos?

O vínculo entre gêmeos é importante e pode ser extremamente benéfico para o desenvolvimento dessas crianças. Porém, é fundamental que haja certo nível de autonomia. Saiba por que a seguir.

14 SET 2018 · Leitura: min.
Como manter a individualidade dos gêmeos?

No imaginário coletivo, os gêmeos são sempre pessoas extremamente ligadas e cúmplices. Eles têm uma conexão diferente, e há quem diga que são capazes até de sentir o que o outro sente. Exageros à parte, criar filhos gêmeos e estimular uma autonomia saudável entre eles não deixa de ser um desafio.

O mais habitual é que os pais sintam aquele impulso de vestir igual, dar brinquedo igual, fazer tudo em duplicado. O que no começo não deixa de ser atitudes inofensivas, pode acabar afetando a autoconfiança de cada um dos gêmeos, pois eles acabam sendo vistos como um bloco, e não como indivíduos com personalidades e necessidades distintas.

Os especialistas em desenvolvimento infantil coincidem em que é muito importante dar liberdade para que cada um tenha um espaço para construir sua própria identidade ao ponto de conseguir reconhecer, por exemplo, os próprios gostos, afinidades e potenciais, o que não deve ser confundido com uma separação forçosa e drástica, algo que pode ser traumático e prejudicar o crescimento pessoal, especialmente se os gêmeos foram tratados como "clones" desde a primeira infância. Uma vez mais, a melhor receita é o equilíbrio.

Efeito dupla: o lado positivo e o lado negativo

O vínculo que se estabelece entre os gêmeos, que compartilham experiências e convivem juntos desde que estavam no útero materno, é objeto de interesse da psicologia há muito tempo. Sabe-se que há uma relação de afinidade muito intensa, que acaba conformando uma forma exclusiva de se relacionar.

shutterstock-720605611.jpg

Se por um lado, esse vínculo afetivo é fonte de união entre os irmãos, por outro, pode acabar distanciando os gêmeos do convívio das demais crianças, seja na escola ou na própria família. Isso porque a convivência intensa e "especial" que os gêmeos consolidam na infância costuma ser arrastada pela adolescência até chegar à idade adulta.

Muitas vezes, a pessoa acaba desmerecendo e desvalorizando qualquer outro tipo de relação, já que nada nem ninguém consegue igualar os níveis de cumplicidade. Desta forma, compromete a vida social e sentimental, e acaba perpetuando uma relação desequilibrada.

Estimular a individualidade dos gêmeos não deixa de ser uma forma de ensinar que todas as pessoas são diferentes, a começar por eles. É uma importante lição a ser aprendida, e que ajuda a combater o isolamento social.

Dicas estimular a individualidade dos gêmeos

Para estimular a individualidade dos gêmeos, é importante começar por incentivar a que eles sejam pessoas realmente distintas, não só no vestir, mas também na forma de comportar. Para isso, anote alguns conselhos simples:

  • evite rotular as crianças de "gêmeos", tratando-os como se fosse uma unidade. Além disso, peça à família que tenha a mesma postura.
  • ressalte as diferenças entre eles, mesmo quando se trata de um interesse em comum. Por exemplo, mesmo que os irmãos adorem livros de aventura, terão personagens favoritos ou histórias preferidas diferentes.
  • é importante que cada gêmeo tenha suas próprias coisas, identificadas com etiquetas, se necessário. É importante que aprendam a respeitar a "propriedade" de cada um, apesar de estarem acostumados a dividir tudo desde o útero materno.
  • dedique um tempo exclusivo a cada um deles, pois dividir a atenção de pai e mãe com o irmão nem sempre é fácil. Respeite o momento em que queiram estar juntos, mas estimule as atividades em separado.
  • evite usar a comparação para distinguir os gêmeos. A experiência de ser comparado costuma ser mais negativa do que positiva, e o que você precisa é valorizar as particularidades de cada um, não alimentar uma concorrência desnecessária.

Fotos: MundoPsicologos.com

psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.com

Deixe seu comentário

últimos artigos sobre terapia familiar