Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

O papel do pai no desenvolvimento dos filhos

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

A qualidade da relação entre mãe e filho é uma das coisas mais importantes para garantir um desenvolvimento saudável, certo? O que muitos se esquecem é que a figura do pai também é vital.

11 JUN 2018 · Leitura: min.
O papel do pai no desenvolvimento dos filhos

Todos falam da importância da mãe na criação dos filhos, mas muitos se esquecem do papel da figura paterna. Não precisa ser um especialista em dinâmicas familiares para saber que o pai tem, sim, relevância na educação, desenvolvimento e saúde dos filhos, tanto física como emocional.

Para as mães, o vínculo com os filhos começa ainda na gestação, se prolongando com o nascimento e crescimento do bebê. Para muitos pais, entretanto, não se trata de um processo natural. Eles são mais distantes e nem sempre se envolvem nas questões sentimentais da criança.

Este seria o primeiro grande erro! Psicólogos recomendam que seja feito um esforço para romper barreiras e concretizar uma aproximação entre pais e filhos o quanto antes possível. Isso porque um desenvolvimento saudável ocorre justamente quando o ambiente familiar é positivo e marcado por um apoio incondicional, tanto por parte da mãe como por parte do pai.

Porém, cuidado, isso não deve ser confundido com falta de limites ou ausência de uma figura de autoridade, pois tais referentes são igualmente importantes para o crescimento da criança.

O que acontece quando o pai é ausente?

Segundo especialistas, quando a figura paterna está ausente, é mais provável que haja consequências negativas no desenvolvimento infantil, tanto no aspecto físico quando psíquico. Sem carinho, atenção e feromônios... Tudo isso pode ter consequências na formação do indivíduo. A figura do pai é peça-chave no processo de descoberta do mundo pela criança e, privada desse referente, ela se sente menos segura e, por que não dizer, menos capaz, amada e desenvolve um sentimento de inferioridade.

Cabe ao pai saber reclamar esses momentos de intimidade com a criança, que tão importantes são para um crescimento saudável. A relação da criança é forte com aquelas pessoas com as que tem contato. Se só a mãe está presente, ou se a criança passa mais tempo com os avós do que os os pais, ali estará um vínculo deficitário.

Além disso, meninos e meninas se beneficiam igualmente do convívio com um pai presente e participativo. No primeiro caso, se fortalece a indentificação com a figura do mesmo sexo ou sexo oposto, fundamental desde a infância até a vida adulta. No último caso, prevalece o reforço da autoestima e da sensação de estabilidade e segurança.

shutterstock-427111003.jpg

Revendo conceitos

Se você já é pai ou planeja sê-lo, é importante compreender que pequenas atitudes são capazes de ampliar sua presença no processo de vida da criança, tais como:

  1. seja proativo desde o nascimento, dividindo tarefas e a responsabilidade pelo cuidado do bebê.
  2. participe das atividades e das brincadeiras, e encontre seu caminho para "construir" dinâmicas exclusivas entre vocês dois. Conversar com amigos e conhecidos sobre o assunto pode ajudar.
  3. tenha momentos de qualidade com o seu filho, sem pressa. É a melhor forma de viabilizar um aprendizado conjunto.
  4. estimule uma comunicação aberta e respeitosa. Para isso, faça perguntas, se interesse pela rotina do seu filho e, sobretudo, saiba escutar.
  5. leia livros sobre educação infantil, converse com a mãe da criança e estabeleça critérios comuns para a criação dos filhos. Sempre que necessário, recorra à ajuda de profissionais especializados em psicologia infantil, já que a caminhada nem sempre é fácil.

Fotos: MundoPsicologo

psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.com

Deixe seu comentário

últimos artigos sobre terapia familiar