Álcool e adolescentes: uma combinação perigosa

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Recente pesquisa traz dados alarmantes sobre consumo de bebida alcoólica, com jovens que começam a beber cada vez mais cedo. Entenda como isso afeta desenvolvimento e comportamento.

13 Jan 2015 · Leitura: min.
Álcool e adolescentes: uma combinação perigosa

Já sabemos que adolescentes e bebidas alcoólicas são uma combinação recorrente, apesar de ilegal, e que pode trazer sérias consequências. Uma recente pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) traz dados alarmantes, que confirmam esse perigoso hábito dos jovens brasileiros.

Aproximadamente 47% dos usuários começaram a beber antes dos 18 anos. Desse universo, 34,5% consumiram álcool pela primeira vez entre os 15 e 17 anos de idade e 12,5% experimentaram bebidas alcoólicas antes dos 15 anos.

Para entender melhor essa questão, vamos mostrar que os efeitos do consumo de álcool por adolescentes, além de abrir a discussão sobre as maneiras em que pais e psicólogos podem ajudar a combater esse problema.

Quais são as consequências e riscos

O consumo precoce de bebidas alcoólicas pode gerar vários problemas, desde consequências graves na saúde até influenciar em comportamentos de risco. Segundo especialistas, estes são os principais riscos que o uso de álcool por menores de idade pode trazer:

  • efeitos na saúde: em comparação com adultos, os adolescentes são mais sensíveis aos efeitos do álcool. O uso precoce de bebidas alcoólicas pode prejudicar o desenvolvimento do cérebro e causar consequências duradouras como perda de memória, problemas de aprendizagem e até afetar o comportamento.
  • risco de acidentes: o uso precoce de álcool também está associado a diversos comportamentos de risco, um deles é a imprudência ao dirigir. Segundo dados do Departamento de Trânsito (Detran), cerca de 22% dos acidentes de trânsito foram causados por um motorista com sinais de embriaguez. Além disso, as taxas de acidentes são maiores entre jovens de 16 a 20 anos do que em motoristas de 21 anos ou mais.

psicoalcool.jpg

  • dependência: a chance de desenvolver um quadro de dependência química é bem maior para quem começa a beber cedo. O Centro de Informação sobre Saúde e Álcool (Cisa) aponta que jovens que começam a beber antes dos 15 anos de idade apresentam uma predisposição quatro vezes maior de se tornarem dependentes da droga.
  • sexo inseguro: estudos também associam o consumo de álcool por menores de idade com a prática de sexo inseguro, aumentando a chance de contrair doenças sexualmente transmissíveis. Quase metade dos jovens que praticam sexo sem camisinha também haviam feito o "binge drinking", que é um termo usado para denominar o consumo excessivo de álcool correspondendo a cinco doses ou mais em um único dia.

Combatendo o problema

Especialistas ressaltam que o uso de bebida alcoólica por menores de idade deve ser visto como uma questão de saúde pública e tratado com a devida seriedade. Sendo assim, o papel da psicólogo torna-se fundamental, já que em muitos casos o consumo abusivo pode estar relacionado a algum conflito ou problema emocional.

A orientação do psicólogo também precisa incluir todo o entorno familiar. Os pais também devem se conscientizar sobre o tema e manter um diálogo aberto com os filhos. É importante saber escutar e argumentar com o adolescente, ao invés de simplesmente estabelecer regras.

Diante disso, para que o profissional de psicologia possa atuar na prevenção e tratamento desses adolescentes, é essencial apostar na capacitação profissional. Confira algumas opções de cursos e materiais disponíveis:

  • Curso SUPERA: promovido pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), o curso é oferecido gratuitamente pela Unifesp. O objetivo desta formação é preparar profissionais na detecção de dependência, na intervenção e reinserção social. A próxima fase de inscrição será aberta em fevereiro.
  • GREA - Programa do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas: faz parte do Instituto de Psiquiatria da USP e oferece o curso de especialização em dependência química.
  • CEPPS - Centro de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Saúde: oferece pós-graduação em drogas e dependência química, formando profissionais para atuar na prevenção e tratamento.
  • material para download: também é possível acessar informação didática no site da ONG Centro de Informação sobre Saúde e Álcool (Cisa). Os materiais trazem videos e textos para pais e adolescentes.

Fotos (ordem de aparição): por geralt (Pixabay) e YuMaNuMa (Flickr)

psicólogos
Escrito por

MundoPsicologos.com

Deixe seu comentário
Comentários 2
  • Ludmila alves

    Bom me ajudou muito em uma redação que estou fazendo ,contem informações muitos boas e de grande utilidades

  • celeste Martins

    Este tema é fundamental para orientar e prevenir jovens adolescentes. Buscando capacita-lo para enfrentar a vida.