MundoPsicologos.com
MundoPsicologos.com
No Google Play Na App Store

Viver com ataques de pânico

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Os ataques de pânico podem ser aterrorizantes. Você pode estar convencido de que está tendo um ataque cardíaco. Pode se sentir paralisado. E, claro, você está experimentando um medo intenso.

19 Fev 2016 · Leitura: min.
Viver com ataques de pânico

Você está sentado em seu carro tentando chegar ao supermercado, mas a ansiedade toma conta do seu corpo. Você fica frio e quente ao mesmo tempo com o suor escorrendo por suas costas, os pelos dos braços se arrepiam. Finalmente você chega e sai do carro. Mas, quando entra na loja, se sente instável e tem o desejo de voltar para fora.

A iluminação fluorescente parece ser especialmente sufocante. Os corredores são largos, mas por incrível que pareça, sente claustrofobia. Não consegue respirar, parece faltar o ar. Você se sente como a famosa pintura de Edvard Munch "O Grito", sim, todo o seu corpo está gritando.

Isso acontece em outros lugares também. Às vezes, isso acontece quando você está no shopping ou em algum lugar novo. Às vezes, isso acontece quando você está desfrutando de um delicioso jantar com amigos, assistindo a um filme ou apenas dirigindo para casa. "de repente o seu corpo é invadido, com picos de adrenalina.

Você foi atingido com um sentimento de medo e desgraça iminente como se fosse morrer, enlouquecer, desmaiar ou perder o controle", como afirma Tamar Chansky, ph. D, uma psicóloga clínica americana que trabalha com crianças, adolescentes e adultos, ajudando-os superar a ansiedade.

Ela define um ataque de pânico como o cérebro engajando-se num programa de resposta a emergências como se você estivesse em grave perigo. "Isto seria ótimo, exceto que acontece na ausência de qualquer ameaça real," conforme Chansky.

Os ataques de pânico podem ser aterrorizantes. Você pode estar convencido de que está tendo um ataque cardíaco. Pode se sentir paralisado. E, claro, você está experimentando um medo intenso, que afeta todo o seu corpo.

Um ataque de pânico contém pelo menos quatro dos 13 sintomas físicos ou cognitivos, como afirma Simon Rego, diretor de treinamento psicologia da Montefiore Medical Center / Albert Einstein College of Medicine, em Nova York. Eles incluem:

  • o coração disparado
  • tonturas ou vertigens
  • falta de ar
  • desconforto no estômago
  • dormência e formigamento
  • calafrios ou ondas de calor
  • um sentimento como o de que as coisas não são reais ou sentir-se desconectado de si mesmo
  • pensamentos sobre enlouquecer ou perder o controle

Você também pode começar a entrar em pânico ao simplesmente acreditar que vai ter um ataque de pânico. Por exemplo, se você teve um ataque de pânico durante as compras no supermercado, você começa a temer ter ataques de pânico futuros em supermercados. Isso pode levá-lo a evitá-los. Mas evasão só amplifica e perpétua a ansiedade.

Com o tempo, você pode passar a dizer não a qualquer experiência que pode provocar desconforto. Evitar lidar com as emoções, sensações e situações desafiadoras só tornam sua vida mais difícil.

Há ainda muita vergonha associada aos ataques de pânico. Nas crises você se sente fora de controle. Você também pode ver a si mesmo como fraco ou um covarde por ter medo. Mas você não é. Você também não está sozinho. Os ataques de pânico são bastante comuns. Entre 2% e 4% da população mundial sofre com transtorno de pânico, de acordo com o instituto nacional de saúde mental do EUA.

Mas os sintomas são assustadores até que você quebre o código e saiba – como no Mágico de Oz – que não há nenhum homem por trás da cortina. "Nada de terrível vai acontecer quando você tem um ataque de pânico. Você vai ter sentimentos desconfortáveis, e eles vão passar se você não atiçar o fogo com mais medo."

E essa é a grande notícia. Os ataques de pânico são altamente tratáveis. Não importa quanto tempo você está lutando, existem tratamentos eficazes e relativamente breves para ajudá-lo a ficar melhor. Abaixo, você vai saber mais sobre estes tratamentos, juntamente com o que você pode fazer por você mesmo.

O tratamento de escolha

Consensos de especialistas sugerem que a terapia e inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) são fundamentais.

Medicação

Especificamente, os antidepressivos são o esteio para tratar o pânico. Eestes incluem: SSRIS como a Fluoxetina, Citalopram e Paroxetina; e SNRIS ou inibidores da recaptação de noradrenalina, tais como Venlafaxina e Duloxetina.

Os benzodiazepínicos são por vezes utilizados para aliviar sintomas graves ou perturbadores. Um antidepressivo pode levar várias semanas para agir no organismo, enquanto uma Benzodiazepina age imediatamente. No entanto, é importante ser cauteloso com Benzodiazepinas, porque têm o potencial para abuso e dependência.

Por exemplo, isso significa não prescrevê-los para indivíduos com um transtorno de uso de substâncias atual ou passado. Comprometimento motor também pode ser um efeito colateral, podendo ser problemático para pacientes idosos devido ao risco aumentado de quedas.

O comprometimento cognitivo é outro efeito colateral potencial. Assim é preciso ter cuidado ao ser usado por pessoas que têm uma doença ou lesão cabeça que afete o sistema cognitivo.

Há ainda conforme do Dr. Simon Rego, evidência que sugere que as Benzodiazepinas "são inúteis a longo prazo e pode mesmo ter um impacto negativo sobre a terapia".

Estratégias adicionais

Seja honesto com seu terapeuta. Muitas vezes as pessoas vão evitar o tratamento porque tem a ilusão de que falar ou ler sobre a ansiedade irá desencadear um ataque de pânico.

Mas mesmo que isto ocorra, essas ações (a contrário da evasão) irão ajudá-lo a ficar melhor. Seja aberto com seu terapeuta sobre seus medos. "Trabalhar com eles é parte do processo de tratamento."

Estresse temper

Isto significa procurar ter hábitos saudáveis e minimizar o estresse. Se você estiver exausto, não comer direito ou percebe-se excessivamente estressado no trabalho, vai começar o seu dia com uma linha de base de alta ansiedade.

E haverá pouco tampão entre você e pânico. Com uma baixa base de estresse você terá a oportunidade de interpretar com mais precisão "o falso alarme de pânico ao invés de ficar emaranhado nele."

Saiba mais sobre as razões fisiológicas dos seus sintomas

Quando compreender que todos os sintomas físicos têm uma finalidade adaptativa, você entenderá que o medo é o seu corpo funcionando como deveria e que ele sabe o que fazer; é só ser um pouco de hiperatividade (ok, muito hiperativo).

Desafie os pensamentos e previsões relacionados aos ataques de pânico

Há duas maneiras principais para desafiar os seus pensamentos e previsões sobre ataques de pânico. Uma estratégia é questionar a probabilidade de que uma consequência física venha a ocorrer. Você pode se perguntar: quantas vezes eu temia que x iria acontecer durante um ataque? Quantas vezes realmente x aconteceu?

A segunda estratégia é questionar a gravidade das consequências sociais, ou seja, o medo de ter um ataque de pânico em público. Pergunte a si mesmo: como eu me sentiria? Será que eu mesmo me senti envergonhado antes? Como é que eu lido com isso? Quão ruim me sinto agora?

Trabalhar na eliminação de "comportamentos de segurança"

"comportamentos de segurança são todas as pequenas coisas que fazem os pacientes acreditarem que irá mantê-los" seguro "em caso de um ataque de pânico". Por exemplo: carregando uma garrafa de água; sentando-se perto saídas; levantando-se lentamente para evitar tontura; caminhando lentamente para evitar que o seu coração dispare; e distrair-se.

Essas habilidades são válidas, mas saiba que elas servem apenas como uma ajuda temporária. Lembre-se de que as mensagens falsas são o problema real.

O problema não é o supermercado ou seu carro. O problema encontra-se nas "falsas mensagens de proteção que o seu cérebro está enviando sobre essas situações."

Então, quando você começar a receber essas mensagens, em vez de assumir que seus pensamentos estão corretos, você pode observar e analisá-los. Finja que você é um repórter: "minha mente está me dizendo que isso não é seguro. Isso não é verdade; isto é bom.

Nada mudou neste momento. Tudo está na mesma. Estes sentimentos vão passar. Eles são temporários e inofensivos. Estou bem. O que está acontecendo não é um sinal de que algo está errado; é apenas o sistema de alarme no meu corpo disparando na hora errada."

Os ataques de pânico são horríveis, eu sei. "Mas o que é pior é o medo constante de ataques de pânico." o que é pior é a estruturação de sua vida para evitar o pânico e desconforto, porque o que tudo isso faz é limitar o seu mundo e amplificar a sua ansiedade.

Lembre-se: "você não pode organizar a sua vida para evitar a ansiedade ou ansiedade vai comê-lo vivo. Parte do processo de cura é estar disposto a fazer coisas que provocam ansiedade para você aprender a lidar com ela quando isso acontece. Porque você pode lidar". E procure ajuda profissional. Você não está sozinho, acredite que pode ficar melhor.

Escrito por

Psicóloga Elaine Mardegan - NeoLiv

Deixe seu comentário