MundoPsicologos.com
No Google Play Na App Store

Complexo de inferioridade: principais sintomas e como tratá-los

Todo mundo já se sentiu inferior ou menos importante alguma vez na vida. É um sentimento natural, mas que pode trazer uma série de problemas para a rotina quando persistente.

4 Jan 2019 Dicas de psicologia - Leitura: min.

psicólogos

É natural que em determinados momentos da vida uma pessoa se sinta inferior, seja desempenhando uma função específica ou por suas habilidades, seus conhecimentos ou em função de alguma característica física. Até mesmo aqueles que têm uma autoestima bem trabalhada e fortalecida, estão sujeitos a experimentar momentos de insegurança.

Porém, há pessoas que estão constantemente se comparando aos demais, sendo incapazes de reconhecer suas próprias potencialidades. Elas têm a sensação de que nunca estão à altura, seja das exigências da situação ou das expectativas que criam em relação a si mesmas. Estes fatores indicam a exitência do complexo de inferioridade.

Seguramente, já ouviu falar do termo, mas seria você uma vítima mais desse complexo? Se é assim, cuidado! O complexo de inferioridade, além de gerar muita frustração, também pode provocar vários problemas associados.  A seguir, falamos dos principais sinais e de como enfrentá-los.

Sintomas do complexo de inferioridade

Quem tem a autoestima tão baixa a ponto de desenvolver um complexo de inferioridade, costuma demonstrar:

  • timidez extrema no entorno social
  • necessidade de agradar e satisfazer os demais
  • dificuldade para tomar decisões
  • deixar-se influenciar facilmente por opiniões externas
  • valorizar em excesso as conquistas dos demais, enquanto se sente incapaz de reconhecer suas próprias conquistas
  • com frequència se vitimizar e/ou ir ao extremo com encarnando um papel perfeccionista
  • apresentar sensibilidade às críticas
  • tendência a apontar os erros dos demais como estratégia para autoproteção

shutterstock-236333257.jpg

Segundo psicólogos especializados em desenvolvimento pessoal, as causas desse tipo de complexo costumam remontar à infância, quando a criança foi obrigada a conviver com a rejeição,onde a criança pode ter sido exposta a várias situações, como por exemplo: ser rejeitada, submetida a um ambiente extremamente exigente e crítico, ou então ter experimentado mimos e superproteção, provocando assim falhas na consolidação de sua identidade e autoestima.

Também acontece nos chamados casos de inferioridade orgânica, quando a pessoa acredita ser inferior por alguma característica física que a incomoda, como pode ser o peso, o tamanho ou a forma do nariz ou das orelhas, a cor da pele, etc.

Como se livrar do complexo de inferioridade?

Chegados a esse ponto de fragilidade e insegurança, é importante reconhecer a necessidade de pedir ajuda. Os traumas e complexos arrastados ao longo de tanto tempo têm raízes profundas e, nem sempre, é possível romper essa dinâmica sozinhos. Por isso, é extremamente recomendável que uma pessoa com complexo de inferioridade procure um psicólogo, para começar um processo terapêutico.

Além da ajuda psicológica, é importante começar a colocar em prática pequenas mudanças de comportamento, para ir enfraquecendo esse complexo pouco a pouco. Nesse sentido:

  • deixe de se centrar no que está errado e reconheça seu valor
  • dedique tempo e esforço para identificar quais são as suas habilidades, potencialidade e pontos fortes
  • seja menos crítico consigo mesmo
  • trate de identificar todos os pensamentos limitantes e reveja suas crenças
  • entenda que ninguém é perfeito e evite se comparar com os demais
  • como é impossível agradar a todos, comece a ser você mesmo e deixe de se autoenganar
  • cerque-se de pessoas positivas e que sejam um apoio para você nesse processo de transição
  • aprenda com os seus erros e valorize sua trajetória

Fotos: MundoPsicologos.com

5 Curtir

Deixe seu comentário

INFORMAÇÃO BÁSICA SOBRE PROTEÇÃO DE DADOS
Responsável: Verticales Intercom, S.L.
Finalidades:
a) Envio de solicitação ao cliente anunciante.
b) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços próprios.
c) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços de terceiros de diferentes setores de atividade, podendo implicar repasse dos dados pessoais a esses terceiros.
d) Segmentação e elaboração de perfis para fins publicitários e para prospecção comercial.
e) Gestão dos serviços e aplicativos oferecidos pelo Site ao Usuário.
Legitimação: Consentimento do interessado.
Destinatários: Está previsto o repasse dos dados aos clientes anunciantes para atender suas solicitações de informação sobre os serviços anunciados.
Direitos: Tem o direito a acessar, retificar e eliminar os dados ou se opor ao tratamento dos mesmos ou a alguma das finalidades, bem como outros direitos, como se explica na informação adicional.
Informação adicional: É possível consultar a informação adicional e detalhada sobre Proteção de Dados em br.mundopsicologos.com/proteccion_datos

Você não pode deixar de ler...