5 mentiras sobre o amor que deveríamos ignorar

Neste artigo, você conhecerá quais são os 5 mitos que todos aprendemos sobre o amor, mas que deveríamos ignorar.

3 NOV 2020 · Leitura: min.

PUBLICIDADE

5 mentiras sobre o amor que deveríamos ignorar

Amar e ser amado é uma experiência única que pode dar outro significado à nossa vida. Mas o amor também tem muitos desafios, fases difíceis e acreditar no amor romântico pode ser muito frustrante. 

Sentir que nosso relacionamento não é tão mágico como o que estamos acostumados a ver nos livros e filmes, pode nos levar a querer uma vida a dois perfeita que na verdade nunca existirá. Isso ocorre porque muitos de nós idealizamos o amor, mas essa idealização bate de frente com a vida real. 

O amor romântico, o modelo de relação que deveria haver entre um homem e uma mulher ou entre pessoas do mesmo sexo, baseia-se em algumas premissas que não existem no mundo real. Além disso, o ciúmes, a necessidade de viver exclusivamente para alguém (se afastando inclusive dos amigos) e a ideia de alma gêmea são requisitos que, a meu ver, estão mais ligados ao sofrimento do que a uma relação saudável e feliz. Entretanto, seguimos acreditando neles. Ana Yáñez, psicóloga. 

Veja a seguir, 5 mentiras que todos aprendemos sobre o amor, mas que deveriam ser ignoradas: 

1. Todos temos nossa outra metade

O mito de que todos temos nossa alma gêmea ou a metade da laranja, não só é irreal como causa um dano enorme para qualquer relacionamento. Acreditar na ideia de que em algum lugar do mundo existe alguém perfeito, que se encaixa exatamente na nossa forma de ser e que está predestinado a entrar nas nossas vidas para torná-la completa é limitador. Somos imperfeitos e não existe relação perfeita. Por outro lado, somos seres completos, inteiros. Nossa felicidade depende exclusivamente de nós mesmos e o outro deve chegar para somar. 

Nos fizeram acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade. Não nos contaram que já nascemos inteiros e que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta. John Lennon

2. Os homens não podem expressar seus sentimentos

A crença de que os homens não podem expressar suas emoções passa de geração em geração e ainda perdura hoje em dia. E, na vida de casal, muitas pessoas têm a ideia errada de que o homem deve ser a pessoa forte da relação, alguém que não pode chorar e nem demonstrar suas fraquezas.

Esta é uma crença cruel, que gera e nutre uma masculinidade tóxica. Em uma relação saudável e equilibrada, tanto o homem quanto a mulher devem se sentir cômodos para poder expressar seus pensamentos e sentimentos. E o papel de “forte” da relação varia ao longo da vida a dois. A vezes será desempenhado pelo homem, outras pela mulher e outras por nenhum deles. 

3. É impossível ser feliz sozinho

Fomos educados para acreditar que é impossível ter uma vida plena se estamos solteiros. Assim, não estar em um relacionamento é visto como sinônimo de fracasso. 

Segundo a psicóloga Deborah Dudley, existe uma crença arraigada na sociedade moderna que estar solteiro é o resultado de algo negativo que a pessoa está fazendo. É o reflexo de alguém que não tem valor, o que não é verdade em absoluto. 

É possível ser feliz solteiro porque um relacionamento não é garantia de nada. Há muitas relações infelizes, problemáticas e cheias de desamor. 

4. Quem não sente ciúmes, não ama

Muita gente acredita que o amor é sinônimo de posse e que quando não existe ciúmes não há amor. O ciúme é uma emoção natural do ser humano e de forma moderada faz parte de qualquer relação porque representa o medo de perder a outra pessoa. 

No entanto, o ciúme doentio causa muitos problemas ao casal. Uma pessoa ciumenta certamente vai querer controlar todos os passos do parceiro, vai exigir provas constantes de amor e não vai confiar em nada que o outro disser. É praticamente impossível manter uma boa convivência com alguém tão sufocante e que demanda tanta atenção. 

5. O amor verdadeiro aguenta tudo

Saber perdoar é muito importante. No fim das contas, todos erramos e se não sabemos perdoar é impossível manter o relacionamento. No entanto, não somos obrigados a perdoar tudo por amor. Cada pessoa tem o seu limite, o que considera aceitável e o que não. Para muitas, por exemplo, uma traição é imperdoável.

Também não devemos aguentar tudo em uma relação porque os comportamentos tóxicos do outro podem virar rotina e nos destruir psicologicamente. Jamais devemos aceitar: 

  • A agressividade
  • O controle
  • A manipulação
  • O desprezo
  • A falta de confiança
  • As mentiras constantes
  • A chantagem emocional

PUBLICIDADE

psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.com

Bibliografia

Kirstie Taylor, 6 Lies Society Tells Us About Love That You Should Ignore: https://psiloveyou.xyz/6-lies-society-tells-us-about-love-that-you-should-ignore-70565edea7f0

Las ocho mentiras del amor: https://www.abc.es/familia/parejas/abci-ocho-mentiras-amor-202008030122_noticia.html

Deixe seu comentário

PUBLICIDADE

últimos artigos sobre terapia de casal