Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Hypnoparenting: é correto usar hipnose para educar um filho?

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

A hipnose é um recurso que permite induzir a pessoa a um estado alterado de conciência. E se começar a ser utilizada como um instrumento para educar crianças e alterar comportamentos?

27 SET 2016 · Leitura: min.
Hypnoparenting: é correto usar hipnose para educar um filho?

A hipnose é uma abordagem de trabalho psicoterápico, que utiliza estados alterados de consciência para alcançar memórias, ideias e emoções. Como estão atreladas a um determinado problema ou transtorno, a hipnose permite acessá-las sem bloqueios, para melhor lidar com as causas e consequências.

A aplicação que vem sendo dada por hipnoterapeuta norte-americana, entretanto, vem provocando uma série de discussões éticas e funcionais sobre a técnica. De Los Angeles (Estados Unidos) e mãe de três filhos, Lisa Machenberg afirma usar o método dentro de casa, como uma solução natural para a criação dos filhos.

De acordo com a hipnoterapeuta, trata-se apenas de realizar de forma intencionada algo que todos os pais já fazem, que é influenciar as crianças ao longo do seu processo de desenvolvimento. Ao canal ABC News, Lisa explicou que começou a hipnotizar seus filhos para que conseguissem dormir a noite inteira sem fazer xixi na cama. Atualmente, utiliza a hipnose como ferramenta para controlar a ansiedade e lidar com dificuldades de concentração.

"Meus filhos são capazes de usar lógica e raciocínio. Eles têm uma perseverança e uma capacidade para se esforçar que não é comum em outras crianças", justifica a hipnoterapeuta.

Falta de comprovação científica

O uso da hipnose na educação dos filhos, também chamado de hypnoparenting (como a técnica vem sendo denominada nos Estados Unidos), é controverso, especialmente porque ainda falta comprovação científica de sua eficácia enquanto ferramenta "pedagógica". No Brasil, outro problema seria a falta de uma rígida regulamentação que pudesse controlar o uso da hipnose para esse tipo de fim.

shutterstock-hipnose.jpg

Parte dos especialistas ressalta que, dificilmente, o uso isolado da hipnose seria suficiente para mudar radicalmente o comportamento de crianças e adolescentes, e fazer com que essas mudanças fossem duradouras e fizessem parte de sua personalidade e comportamento. Ainda coincidem em haver outros recursos mais eficazes para ajudar no desenvolvimento infantil, como motivar, ser consistente na disciplina, elogiar bons comportamentos e ajudar a estabelecer objetivos, obviamente controlando expectativas e comemorando as conquistas.

Não é o caso do psicólogo Rangel Lima, que trabalha com a hipnose e destaca sua capacidade de sugestão:

"A hipnose atuaria como uma sugestão (estado alterado de consciência ou atenção plena), que atuaria diretamente no inconsciente, que é a área responsável por nossa vida psíquica, sede das emoções e que geram os comportamentos. Da mesma forma como somos influenciados pelos exemplos, mídia, informações diversas, esse tipo de sugestão tem a mesma finalidade e pode ter ainda mais impacto quando a pessoa recebe sob transe hipnótico."

Sobre um possível dilema ético em utilizar a hipnose para interferir no desenvolvimento da criança e adolescente, Rangel é taxativo:

"Para mim, é totalmente ético, desde que seja para o bem da criança, adolescente ou adulto. Exemplo, para ela se tonar mais autoconfiante, responsável, inteligente, para ser mais calma, evitar certas circunstâncias, etc."

A norte-americana Lisa Machenberg alega já ter tratado mais de 1.000 crianças e adolescentes durante sua trajetória como hipnoterapeuta. Paralelamente, trabalharia com os pais estratégias que poderiam ser usadas em casa, além de ensinar aos pacientes processos da auto-hipnose.

Fotos: por MundoPsicologos.com

psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.com

Deixe seu comentário

Últimos artigos sobre Família