Será que meu filho tem dislexia?

Dificuldades de ler, soletrar ou mesmo identificar as palavras mais simples. Muito mais do que preguiça, falta de atenção ou má alfabetização, pessoas com esses sintomas podem ter dislexia.

20 JAN 2017 · Leitura: min.

PUBLICIDADE

Será que meu filho tem dislexia?

Primeiro vamos esclarecer... dislexia não é uma doença, e sim um distúrbio de aprendizagem muito comum (cerca de 10% da população). Trata-se de um distúrbio congênito, ou seja, já nasce com a pessoa.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, a dislexia não é causada por má alfabetização, desatenção, desmotivação, condição social ou baixa inteligência. Ela é uma condição inata; o que ocorre é uma lacuna inesperada na habilidade de aprender. Embora os cérebros dos disléxicos sejam perfeitamente normais, eles processam as informações em uma área diferente.

Os primeiros sinais da criança com dislexia aparecem na época da alfabetização, embora alguns sintomas podem estar presentes em fases anteriores. Os principais sintomas são:

  • Dificuldades com a linguagem e escrita
  • Dificuldades em escrever
  • Dificuldades com a ortografia
  • Lentidão na aprendizagem da leitura
  • Dificuldade em memorizar
  • Dificuldade com a linguagem falada
  • Confusão entre direita e esquerda
  • Copiar e escrever números e letras inadequadamente
  • Dificuldade em participar de brincadeiras coletivas
  • Pouco interesse em livros impressos

Além dos sintomas relacionados à vida escolar (leitura e escrita), os pais e professores podem observar na criança ansiedade ou tristeza, relutância em ir à escola, dores de cabeça e problemas estomacais. A causa principal desses sintomas pode ser a dislexia, devido ao fracasso ou medo do fracasso escolar.

Os tratamentos que auxiliam no aprendizado da criança com dislexia buscam estimular a capacidade do cérebro de relacionar letras aos sons que representam e, posteriormente, ao significado das palavras que elas formam. Quanto mais cedo é tratada a dislexia, maior a chance de corrigir as falhas nas conexões cerebrais da criança.

É importante que, na escola, os professores tenham conhecimento e sensibilidade com os alunos disléxicos, dando para esses alunos uma atenção diferenciada, como, por exemplo, um tempo maior para realizar as avaliações e encorajar a criança a solicitar ajuda, fortalecendo assim sua autoestima.

Em casa, os pais devem evitar dizer que a criança é lenta, preguiçosa ou compará-la com irmãos ou primos. Paciência e compreensão são fundamentais no tratamento da dislexia. Os pais devem ser os defensores e fonte de apoio emocional. É importante que os pais forneçam experiências de sucesso para os filhos, mostrando que estarão sempre juntos dos seus filhos

O diagnóstico da dislexia deve ser feito por um profissional capacitado.

PUBLICIDADE

Escrito por

Camila Generoso

Ver perfil
Deixe seu comentário

PUBLICIDADE

Comentários 1
  • Atilio de Souza

    Tenho alguns destes sintomas. Gostaria de consultar com um profissional que cuida de Deslexia. Voces podem indicar um profissional? Sou adulto! Pra mim o melhor é no Alphavile - Barueri. Obrigado!