Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Sinto que não sirvo pra nada e desejo muito me matar

MariaFernanda1MariaFernanda1
em Angústia

Solicitação de Maria Fernanda. Eu sempre gostei de desafios, eu amava o fato de me superar a cada dia, de aprender coisas novas e ter a capacidade de enfrentar coisas que ninguém na minha família seria capaz, sempre busquei mostrar que eu era mais do que um rótulo, tive graves problemas de saúde na infância, quase todas as minhas lembranças eu estava em alguma cama de hospital, e rodeadas por médicos e enfermeiros. Na adolescência eu n queria mais ser vista como a doentinha da família aquela que necessitava de cuidados especiais, eu amava estudar, amava a vida, eu era literalmente apaixonada por tudo que emanava vida, sempre fui muito divertida e alegre, nunca tive medo em relação a morte, sempre achei que na hora certa tudo acontecia naturalmente e n tinha com o que eu me preocupar, porém tinha a certeza dentro de mim que teria muito tempo ainda pra fazer diversas coisas, e levar o amor que eu sentia pela vida ao mundo, passei por alguns traumas na infância, comi abuso sexual, e brigas graves com meus país, mais era eu, alguém que amava tanto a vida, a ponto de entender que tudo aquilo era só momentos ruins que iriam passar, e que tudo ia se ajeitar conforme o tempo, perdoava a todos o tempo todo, fazia com que as outras pessoas desejassem ter a minha própria vida, de tão contente e feliz que eu era comigo mesma, auto estima então, eu me sinto a linda, maravilhosa a mais bela entre todas no mundo, era me sentia completa realmente felicidade por completo, casei bem jovem com um cara mais velho, tive meus filhos, depois me separei fiquei com meu meu filho, apesar de muito jovem, eu não temia nada sabia que eu seria a melhor mãe possível e que n deixaria nada me abater, entrei em um novo relacionamento que foi bem desastroso e sugou parte de tudo de melhor que eu tinha, aquele amor que eu tinha por mim mesma, eu doei para o outro, e n foi recíproco, não devemos nunca amar o outro além de nós mesmo e esse foi o meu erro maior, sair deste relacionamento grávida, e me sentindo sugada, parte de minha essência, de quem eu era havia se perdido e não me sentia tão confiante e jurei não amar ninguém além de mim novamente, mais já era tarde, parece que eu me boicoitava e sempre fazia de mais pelas outras pessoas, eu já n olhava mais pra mim como antes eu já n me amava mais, entrei em um novo relacionamento, e me Sintia amada pelo meu novo parceiro, mais eu n sabia mais o que era amor, eu n conseguia mais sentir isso por alguém além dos meus filhos, o tempo passou e eu estava bem, n era mais como antes, mais ainda sim vivia como dava, literalmente do acaso, não fazia planos, e nem esperava mais nada, ficava doente facilmente qualquer coisa me abatia, resolvido que não queria mais viver do acaso e comecei fazer planos, a meta era conseguir um trabalho, e ficar mais tempo fora de casa, lutando pra que eu pudesse fazer uma faculdade e que pudesse ser um exemplo para meus filhos, sempre pensei que não poderia cobrar nada deles, se eu própria n era capaz de fazer, então feito. Conseguir um trabalho, como era meu primeiro emprego e eu n tinha nenhuma experiência, não escolher cargo e fui contratada como auxiliar de serviços gerais, atuando com limpeza e higiene de um condomínio, em poucos dias eu me sentia viva denovo, cheia de amor por mim, pela vida, eu estava me apegando aos colegas, ao chefe aos moradores, eu estava muito muito feliz, até eu perceber que as pessoas n eram como eu achava que era, eram falsas dissimuladas, sorriam pra mim fingiam ser meus amigos e me esfaquearam pelas costas, percebi que eu só servia alí pra limpar chão, e cocô de cachorro eles nunca me dariam o valor que eu tinha, e começaram os moradores me boicotar, eu presenciei moradores boicoitando meu serviço diversas vezes, neste meio tempo eu já havia me matriculado na faculdade, mas com estes problemas no trabalho eu n conseguia me concentrar, eu percebia cada vez mais a hipocrisia das pessoas, por mais que eu me esforçasse pra fazer o melhor para todos e por todos, eles não reconheciam, ficava até tarde no trabalho sem receber hora extra, e o chefe ainda exigia que eu chegasse pelomenos com 20 minutos de antecedência todos os dias, mais n podia sair nem 1 minuto a menos e eu fiquei me sentindo sugada, eu ia pra casa triste, magoada, n queria mais ficar só, parece que eu não existo mais, quando fico sozinha eu fico pairando nos meus pensamentos na minha angústia, não estava mais conseguindo fazer meu trabalho, eu choro, eu estava vendo coisas absurdas no trabalho, como espíritos nas escadas, ouvindo vozes que sussurrava em meu ouvido pra me fazer perder a atenção e cair da escada, eu tinha desejos de pular do prédio todas as vezes que subia lá, me isolei e não queria mais falar com as pessoas, eu só queria ficar em casa, levantar pra ir trabalhar tava sendo muito difícil pra mim, eu sentia dores fortes na cabeça, esquecia totalmente de tudo que eu deveria fazer, não tenho mais vontade de viver, tenho pensamentos suicidas porém sou muito covarde pra isso, as vezes penso em colocar veneno na minha comida na comida dos meus filhos.

Entre ou Registre-se para fazer um comentário.
Novo tópico

Salas de discussão