MundoPsicologos.com
MundoPsicologos.com
No Google Play Na App Store

Você conhece quais são os tipos de depressão?

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Você seria capaz de descrever uma pessoa com depressão? Se você pensou em alguém que não tem vontade de fazer nada e não quer viver, veja a seguir por que está enganado.

3 Out 2016 · Leitura: min.
Você conhece quais são os tipos de depressão?

A maioria das pessoas associam a depressão com a ideia de alguém que passa dias na cama, sem ânimo nenhum para levantar e realizar as tarefas do cotidiano e com ideais suicidas. Mas será que apenas tais aspectos caracterizam a depressão? A psicóloga Maitê Hammoud ajuda a esclarecer essa dúvida.

Existem vários tipos de depressão. podendo variar o grau, intensidade e duração. É de extrema importância conhecê-los para a identificação dos sintomas, possibilitando a busca do tratamento e prevenindo a evolução do quadro.

Na depressão sempre vão existir a combinação de fatores biológicos, psicológicos e sociais. A causa pode decorrer de fatores internos ou externos, mas independente do que motivou a origem da doença, um sempre influenciará o outro.

Os fatores internos normalmente estão associados a mudanças hormonais ou de neurotransmissores, e os externos podem ser os mais diversos, normalmente estando vinculados a perdas (falecimento de um ente querido, término de relacionamento, perda de emprego ou de status social), ou então a uma rotina muito estressante.

Sintomas da depressão

Os sintomas mais prevalentes na doença, que devem ser percebidos como sinais de alerta, são:

  • afetivos: choro, melancolia, sentimentos de vazio, tédio, irritabilidade, baixa autoestima, isolamento;
  • cognitivos: dificuldades de atenção, concentração e memória, pessimismo, falta de flexibilidade, arrependimento e culpa, ideais suicidas, pensamentos de morte;
  • motores: mutismo, diminuição no tom de voz, andar em círculos;
  • somáticos: alterações no padrões de sono (insônia ou sono em excesso), alteração nos padrões alimentares (perda ou ganho de apetite, estando associado a perda ou ganho de peso), irritabilidade, diminuição na libido, vulnerabilidade a doenças.

depressao2.jpg

Tipos de depressão

Como foi mencionado anteriormente, há vários tipos de depressão, cada um com características específicas:

  • distimia: sensações de cansaço que oscila entre leve e forte, a pessoa encara tudo como sacrifício e problema. A pessoa é desesperançosa e pessimista, e possui a libido reduzida;
  • depressão atípica: apresenta sintomas contrários aos mais comum da depressão. Os pacientes têm maior necessidade de dormir, comer ou ter contato íntimo;
  • depressão disfórica pré-menstrual: predomina a irritabilidade, mudanças no apetite e no humor, sintomas que podem ser amenizados com vitaminas, diuréticos e exercícios físicos;
  • depressão pós-parto: a duração varia de seis meses a um ano, e implica em prejuízos significativos na amamentação e formação de vínculo com o bebê;
  • depressão psicótica: está associada à psicose e aos sintomas característicos dessa estrutura, podendo ocorrer alucinações com conteúdo depressivo, culpa e delírios de ruína;
  • depressão maior: é a mais conhecida, sendo caracterizada por sua longa duração (20 semanas ou mais) e sendo caracterizada, principalmente, por intenso sentimento de apatia e ausência de sono e apetite;
  • depressão secundária: advém de outra doença, como consequência ou durante o processo de adoecimento;
  • depressão agitada: inquietação com humor depressivo. Frequentemente causa insônia;
  • depressão sazonal: decorrente da ausência de luz solar. Por isso, é prevalente na Europa.

Tratamento da depressão

Para o tratamento de qualquer tipo de depressão, é fundamental tanto acompanhamento psiquiátrico como psicológico. O suporte medicamentoso será indispensável para regular os aspectos orgânicos, favorecendo diretamente a melhora e diminuição dos sintomas biológicos (sono, apetite, disposição, etc.). Já o acompanhamento psicológico possibilitará o fortalecimento emocional, novas perspectivas e alívio das dores emocionais.

Fotos: por MundoPsicologos.com

Escrito por

Maitê Hammoud

Deixe seu comentário
Comentários 2
  • Giovani Castro Fuentes

    acompanhamento psicológico ou psiquiátrico, requer ter dinheiro, como ter ajuda se não tenho dinheiro,

  • Érika bonato

    Eu me idenrifiquei com várias características. Doença cruel.