Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Um pouco sobre o luto

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Como podemos enfrentar processo do luto de forma saudável? Quais são suas fases e características?

19 JUL 2017 · Leitura: min.
Um pouco sobre o luto

Luto pode ser definido como o processo de elaboração e resolução de uma perda real ou fantasiosa, envolto a um sentimento de tristeza profunda.

O luto pode ocorrer tanto após a morte de algum ente querido ou a perda de algum bem material com grande valor sentimental, como também em decorrência de doenças graves, acidentes, casos de traição, grandes perdas financeiras, entre outros (nestes casos, todos os planos e sonhos da pessoal sofrem abalo significativo, desencadeando o processo do luto).

Embora, cada pessoa vivencie o luto de maneira específica (pois cada ser humano é único), é esperado que este processo ocorra de acordo com algumas fases.

Fase da Negação.

Primeiramente, ocorre a chamada fase de negação, na qual a pessoa recusa-se a aceitar a perda. Nesta fase, é comum a pessoa dizer frases como: "isto não pode ser verdade", "vou dar um jeito" ou "isto não está acontecendo".

Pessoas na fase da negação também costumam continuar se comportando como se comportavam antes da perda ou buscam várias fontes para confirmar o que ocorreu, negando-se a acreditar.

Fase da raiva.

A fase seguinte se caracteriza pela raiva, mas também é comum sentimentos de inveja e ressentimento. A sensação de injustiça é marcante para as pessoas que vivenciam esta fase e a raiva costuma ser direcionada ao ambiente externo, às outras pessoas ou à Deus.

Nesta fase as pessoas geralmente dizem coisas como: "por que comigo?", "o que eu fiz para merecer isto?" ou "isto não é justo".

A pessoa torna-se mais irritadiça, perde a calma com facilidade, grita, dá socos em objetos, costuma não aceitar ajuda ou conselhos.

Fase da negociação.

Nesta fase a pessoa começa a pensar no que poderia fazer para que tudo pudesse ser como antes. É uma negociação voltada, geralmente, para dentro do próprio indivíduo ou à aspectos religiosos.

É comum escutarmos frases como: "Se ele voltasse eu seria muito mais amável", "Eu queria tanto abrir os olhos e ver que tudo foi um sonho", "vou pensar positivo que tudo vai se resolver" ou até mesmo "São Longuinho, São longuinho, quando eu achar o que perdi, darei três pulinhos".

Nesta fase a frequência de comportamentos relacionados à perda começa a diminuir.

Fase da depressão.

Nesta fase, os indivíduos costumam sentir uma grande tristeza, desolamento, culpas e medos.

Se faz necessário esclarecer que, apesar do nome, nesta fase as pessoas não estão com depressão (que é um grave transtorno e deve ser tratado de maneira específica).

Pessoas na fase da depressão costumam se tornar mais isoladas, chorar muito, se comportar de maneira autodestrutiva e dizer frases como: "nada será como antes", "eu me odeio" ou "eu não consigo lidar com isso".

Fase da aceitação.

Aqui as pessoas aceitam que não podem mudar o passado e começam a enfrentar a situação, ciente de suas possibilidades e limitações.

Costumam dizer frases como: "eu sou capaz de lidar com isso", "tinha que ser assim" ou "não é o fim do mundo".

Estas fases foram divididas assim por uma razão didática, pois na realidade elas ocorrem de maneira não-linear. Ou seja, você pode retornar à fase da raiva após um momento de negociação ou sentir uma forte tristeza em uma fase de aceitação.

Existe também o chamado luto patológico (complicado), caracterizado pela não resolução ou prolongamento indeterminado do processo do luto. No luto patológico há, entre outros sintomas, um empobrecimento das funções globais, aumento dos sintomas depressivos, baixa autoestima e pobre qualidade de sono.

Escrito por

Abel Augusto

Ver perfil
Deixe seu comentário

últimos artigos sobre luto