Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Os benefícios de ser tolerante

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

Você se considera uma pessoa tolerante? Não? Pois está perdendo a oportunidade de ser uma pessoa mais plena. Entenda por que a seguir, e confira dicas práticas para mudar sua postura!

13 NOV 2017 · Leitura: min.
Os benefícios de ser tolerante

Há quem pense que às pessoas tolerantes falta pulso e sobra passividade. Especialmente em uma sociedade cada vez mais individualista e radical, encontrar quem prefira o respeito às diferenças à imposição de uma ideia ou valor, não é tão fácil como parece.

Ser tolerante não tem nada a ver com fraqueza, ao contrário. Quem vive sua vida sob essa condição, aprende a não se julgar e a não fazer o mesmo com os demais, o que pode ser libertador. E a lista de benefícios está apenas começando!

A pessoa que é tolerante investe tempo e esforço em se conhecer, uma fortaleza a mais. Ela entende que a liberdade e a convivência implicam responsabilidade.

Consegue compreender que liberdade não é fazer ou falar o que se quer, mas ser capaz de ser você mesmo, sem que isso suponha uma agressão a quem está à sua volta.

Entender que o outro pode ter desejos diferentes, não comungar com os seus valores, ter outras prioridades e, inclusive, fantasias que não são iguais às suas, não significa dar as costas ao que você acredita. Na verdade, você só consegue fazê-lo plenamente porque já deu o passo mais importante: ser tolerante com você mesmo, com suas imperfeições e limitações.

Psicólogos especializados em desenvolvimento pessoal e coaching ressaltam que a intolerância costuma ser uma característica de pessoas frustradas e com questões mal resolvidas. O caminho para reverter esse aspecto da personalidade, que pode desencadear um ciclo de negativismo e de más experiências, passa por se permitir ser feliz.

Quem teme o diferente, e vê no outro uma ameaça à sua própria individualidade, geralmente é porque ainda não se permitiu viver de forma plena. A seguir, algumas dicas para começar o processo de mudança rumo à tolerância:

1) Saiba escutar

Aqui impera a lei da reciprocidade: se você quer ser ouvido e respeitado, precisa fazer o mesmo pelos demais. Demonstre interesse pelo que dizem, mesmo se você não estiver 100% de acordo. Não há problemas em divergir, ao contrário, é uma oportunidade de aprendizagem.

2) Prefira resolver conflitos, ao invés de criá-los

Levantar a voz e ter atitude impertinente somente serve para provocar discórdia. Seja no ambiente familiar, social ou no trabalho, prefira trabalhar pela harmonia, demonstrando seus sentimentos de forma positiva e sincera.

shutterstock-332500766.jpg

3) Não deixe o mau humor controlar você

É normal ser tomado pelas emoções, sentir-se exaltado e afetado diante de uma situação que lhe provoca incômodo ou mal-estar. Se isso acontecer, o melhor é respirar fundo, dar-se tempo para retomar a tranquilidade e o equilíbrio.

Só então, retome a conversa onde deixou. Assim, evitará impor suas ideias e argumentos pela força.

4) Seja paciente

É importante cuidar do tom da voz, da velocidade da fala e de suas expressões. Porque, quando há um conflito interpessoal, tudo isso é impactado. A paciência com o seu tempo e o tempo do outro é o que evitará discussões necessárias, ou o agravamento de um conflito já existente.

5) Tente se colocar no lugar do outro

A empatia é a base fundamental da tolerância, sem ela é impossível lidar com a diferença. Colocar-se no lugar do outro, tratar de entender suas razões e posturas, é um exercício analítico, que deve ser praticado e otimizado a cada dia.

Fotos: por MundoPsicologos.com

psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.com

Deixe seu comentário
2 Comentários
  • Valmir Lima

    Há exercícios para prática?

  • Maury Barbosa

    Excelente artigo, muito esclarecedor. Parabéns

últimos artigos sobre habilidades sociais