O hábito de se comparar

O habito de comparar com o outro está cada vez mais comum, mas será que esse comportamento é realmente saudável?

15 JUN 2019 · Leitura: min.
O hábito de se comparar

Nos comparamos com o outro o tempo todo, mas será que esse habito é saudável?

Diante da imersão cotidiana com a perfeição, via mídias sociais, na qual somos inseridos, negar a si próprio em comparação do outro se torna algo comum. Dessa maneira estaremos sempre na linha do "Ok" ou até mesmo na linha do "sou o pior", por pensar que nunca será bom o bastante e que sempre terá alguém melhor. E isso pode afetar diretamente na autoestima do sujeito gerando ansiedade a até mesmo transtornos mais severos como os relacionado a imagem corporal.

Há aqueles que comparam não só a imagem corporal, mas o intelectual e até mesmo o nível de felicidade. E de tanto comparar-se acabam por esquecer de viver a própria vida.

Mudança de hábito com o auxilio da psicoterapia cognitiva-comportamental

No entanto, mudar esse hábito de se comparar não significa que será fácil, mas é uma tarefa possível de ser realizada principalmente com ajuda de um profissional adequado, como o psicólogo.

Pois a psicoterapia, mais especificamente a Terapia Cognitiva-Comportamental, atua na maneira como o individuo pensa sobre determinadas situações e consequentemente no comportamento. Nesse caso a psicoterapia irá atuar no pensamento automático negativo que o sujeito tem em relação a si mesmo que o faz se comparar o tempo todo.

Esses pensamentos são absorvidos diariamente pelo sujeito até que se torna uma verdade, ou seja, o fato de se comparar e se julgar como inferior nem sempre esteve ali, ele foi aprendido e dessa maneira pode ser desconstruído.

Se você se compara com o outro e tem pensamentos negativos sobre esse ato, pode ser que você precisa de ajuda psicológica para conseguir enxergar suas qualidades e perceber que você pode ser tão bom, ou até melhor, quanto ao outro sem precisar desmerecê-lo.

Caso se sinta dessa forma, como o mencionado no texto, não hesite em buscar uma ajuda psicológica, pois a psicologia pode lhe ensinar a perceber o potencial que você tem elevando sua autoestima e lhe devolvendo a sua saúde psicológica.

Por Gabrielle Lazari, psicóloga inscrita no Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro

Escrito por

Gabrielle Lazari Psicóloga

Ver perfil
Deixe seu comentário

últimos artigos sobre autoestima