MundoPsicologos.com
MundoPsicologos.com
No Google Play Na App Store

Hábitos autodestrutivos que você deve evitar

Certos comportamentos podem ser os responsáveis por gerar situações desconfortáveis no dia a dia, além de contribuírem para a insegurança e também para a redução da autoestima.

23 Mar 2017 Atualidades sobre psicologia - Leitura: min.

psicólogos

Ao contrário do que alguns podem pensar, não são somente os maus hábitos físicos, como fumar ou beber, os responsáveis por prejudicar a vida de uma de pessoa. Alguns comportamentos do dia a dia são igualmente (ou até mais) danosos e tendem a afetar, inclusive, quem está ao lado.

Perder tempo insistindo em hábitos autodestrutivos, além de consumir uma energia desnecessária, afeta profundamente o equilíbrio emocional, assim como resulta numa diminuição da qualidade de vida. Os maus hábitos tendem a ser ainda responsáveis por doenças psicossomáticas, que afetam o organismo e geram problemas de saúde.

Na maioria das vezes, a pessoa sequer se dá conta de tais comportamentos, que tendem a ocorrer de maneira inconsciente. Nesse sentido, é fundamental parar e fazer uma autoanálise sobre o que está sendo feito de maneira incorreta no cotidiano. Veja 5 dicas que ajudam nesse processo de reflexão:

1) Pare de valorizar o que não tem

A vida é feita de desejos e isso é praticamente indiscutível. Muitos deles, aliás, é o que nos faz seguir em frente. No entanto, é bastante comum ver pessoas valorizar demasiadamente o que não se tem, se esquecendo de apreciar o que está presente em suas vidas. Isso tende a gerar sentimentos de insuficiência, amargura e incapacidade.

É importante lembrar que isso não se aplica somente a bens materiais, mas também ao que não se pode tocar. Invejar de maneira negativa a felicidade do vizinho ou êxito do colega de trabalho, por exemplo, é nocivo e não soma para o seu autodesenvolvimento.

2) Saia da zona de conforto

Você não ama mais a pessoa, mas segue junto por comodismo, por facilidade. Ou então, você não é feliz no trabalho, porém, continua lá porque isso garante o dinheiro no fim do mês. Entretanto, onde fica o desafio?

Sair da zona de conforto não se trata, necessariamente, de se fazer uma grande mudança, como ir morar em outro país, por exemplo. Pequenas ações do dia a dia já ajudam no crescimento pessoal e profissional. Ademais, manter-se na zona de conforto pelo medo de mudança pode até implicar em problemas como stress, nervosismo e até depressão.

shutterstock-298797602.jpg

3) Se preocupe menos com a opinião alheia

É fato que se vive em uma sociedade na que muita coisa é feita pensando na opinião dos outros. Como explicam psicólogos, pessoas que se preocupam em demasia com o que os outros vão pensar, tendem a enfrentar problemas de baixas autoestima e autoconfiança.

Além disso, são mais vulneráveis às críticas, mesmo quando elas ocorrem de maneira construtiva. É importante entender que a insegurança pode causar problemas na hora de escolher uma profissão, ou ainda para manter uma relação pessoal, por exemplo. Preocupar-se menos com o que "está na moda" e valorizar mais o que "se é" é fundamental.

4) Valorize seus feitos e não se vitimize

O que é mais comum? Valorizar uma conquista ou se martirizar-se por uma derrota? Possivelmente, a segunda opção. Porém, negar os feitos é prejudicial e tem reflexo direito na diminuição da autoconfiança. Ao conviver com a insegurança constante, a pessoa deixa de ousar, de tentar novos desafios, de confiar em si mesma. Por isso, é importante aprender lições dos erros, mas dar valor aos acertos.

Igualmente, lembre-se de que todos passam por momentos difíceis, mas é preciso virar a página e seguir em frente de maneira fortalecida. Vitimizar-se o tempo todo não mostra fraqueza somente para os outros, mas pode contribuir para o sentimento de falta de capacidade.

5) Não culpe os demais

Algumas pessoas costumam culpar o ambiente ao redor diante da falta de ações ou das falhas. O medo de ousar pode fazer com que se saquem conclusões equivocadas. É importante saber diferenciar o que é consequência das próprias ações (ou falta delas) e o que é reflexo do que está ao redor.

______________________________

Se você tentou mudar os hábitos destrutivos do cotidiano e simplesmente não consegue, pode buscar apoio em psicólogos especializados em desenvolvimento pessoal.

Fotos: MundoPsicologos.com

1 Curtir

Deixe seu comentário

INFORMAÇÃO BÁSICA SOBRE PROTEÇÃO DE DADOS
Responsável: Verticales Intercom, S.L.
Finalidades:
a) Envio de solicitação ao cliente anunciante.
b) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços próprios.
c) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços de terceiros de diferentes setores de atividade, podendo implicar repasse dos dados pessoais a esses terceiros.
d) Segmentação e elaboração de perfis para fins publicitários e para prospecção comercial.
e) Gestão dos serviços e aplicativos oferecidos pelo Site ao Usuário.
Legitimação: Consentimento do interessado.
Destinatários: Está previsto o repasse dos dados aos clientes anunciantes para atender suas solicitações de informação sobre os serviços anunciados.
Direitos: Tem o direito a acessar, retificar e eliminar os dados ou se opor ao tratamento dos mesmos ou a alguma das finalidades, bem como outros direitos, como se explica na informação adicional.
Informação adicional: É possível consultar a informação adicional e detalhada sobre Proteção de Dados em br.mundopsicologos.com/proteccion_datos

Você não pode deixar de ler...