MundoPsicologos.com
GRÁTIS - No Google Play GRÁTIS - Na App Store
Instalar Instalar

Entenda o que é a depressão e seus sintomas

É comum as pessoas confundirem depressão com tristeza. Mas como diferenciar esses dois quadros? Entenda o que é a depressão, quais os sintomas e os tratamentos para combatê-la.

14 Ago 2014 Problemas psicológicos - Leitura: min.

psicólogos
É comum as pessoas confundirem depressão com tristeza. Mas como diferenciar esses dois quadros? Entenda o que a depressão, quais os principais sintomas e os tratamentos indicados para combater este transtorno, que cada vez mais afeta a população.

Tristeza é um sentimento natural em nossas vidas, com duração determinada e que pode ser revertido com um estímulo ou com um fator que nos proporcione alegria. Muitas vezes, a tristeza pode ser desencadeada por um acontecimento dífícil e desagradável, como a perda de um emprego, a morte de um ente querido ou dificuldades econômicas.

Já a depressão é caracterizada por uma tristeza profunda e duradoura, acompanhada de uma série de outros sintomas, como fadiga, desânimo, desinteresse, pensamentos negativos, alterações no sono e no apetite. O indivíduo se sente incapaz de reverter o quadro, mesmo quando não há um motivo aparente para passar por tanto sofrimento.

Causas

Os fatores que causam a depressão ainda não estão bem definidos. Mas sabe-se que acontecem alterações químicas no cérebro da pessoa portadora do transtorno, principalmente com relação aos neurotransmissores. Segundo especialistas, a genética também estaria relacionada a esse dustúrbio e uma pessoa predisposta, que passa por situações de estresse, estaria mais vulnerável a ter depressão.

Ou seja, muitas pessoas vivenciam acontecimentos traumáticos, porém, a maioria da população consegue lidar com esses problemas de maneira natural. Mas há indivíduos que, por uma questão genética ou biológica, estão mais vulneráveis a desenvolver um quadro depressivo.

Leia mais: Depressão será a doença mais comum no mundo

FlickrIcaromoreno.jpg

Sintomas e diagnóstico

Como já comentado, a depressão não se trata simplesmente de estar triste. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), para que uma pessoa seja diagnosticada depressiva ela precisa apresentar pelo menos cinco ou mais dos sintomas citados abaixo, provocando prejuízos nas diferentes áreas de sua vida. A duração também é determinante, já que o indivíduo deve manifestar o quadro por pelo menos duas semanas. Confira os principais sintomas que caracterizam uma pessoa que tem depressão:

  • sentir-se deprimido na maior parte do tempo
  • ter menos interesse em realizar as atividades que vinha executando
  • ter perdido ou ganhado peso de forma não intencional
  • ter insônia ou muito sono quase todos os dias
  • ter agitação ou apatia psicomotora diárias
  • sentir fadiga ou sem energia diariamente
  • ter permanente sentimento de culpa e inutilidade
  • sentir-se menos concentrado
  • ter idéias suicidas

O transtorno pode ainda ser classificado quanto a sua intensidade em três grupos, dependendo da quantidade de sintomas apresentados e da duração do quadro:

  1. depressão menor: presença de dois a quatro sintomas, incluindo estar deprimido por duas semanas ou mais
  2. distimia: presença de três ou quatro sintomas, incluindo estar deprimido por no mínimo dois anos
  3. depressão maior: presença de cinco sintomas, incluindo estar deprimido por duas semanas ou mais
Tratamento

Como todos os distúrbios, é fundamental que o tratamento seja iniciado o quanto antes. Especialistas recomendam a administração de medicamentos aliada à psicoterapia, já que a intenção não é apenas atuar nos sintomas da disfunção, mas também na causa da depressão. É feito um trabalho de investigação por meio da terapia, verificando de que forma os acontecimentos traumáticos vividos pelo indivíduo podem ter desencadeado o problema, auxiliando no enfrentamento do distúrbio.

Como a depressão afeta significativamente as funções dos neurotransmissores, os medicamentos são indicados para regular as substâncias que realizam a comunicação entre as células nervosas.

Em conjunto com o tratamento, nutricionistas recomendam ainda o consumo de alimentos ricos em nutrientes e que colaboram para o bom funcionamento do sistema nervoso, auxiliando para o combate à depressão:

  • castanho do pará, nozes e amêndoas
  • leite e iogurte desnatado
  • melancia, abacate, mamão, banana, tangerina, maçã, laranja e limão
  • mel
  • ovos
  • carnes magras e peixes
  • pães e cereais integrais
  • aveia e centeio
  • folhas verdes
  • soja
FlickrHelioMota.jpg
Atitudes que ajudam

Na hora de tratar a depressão é fundamental buscar ajuda profissional de psiquiatras e psicólogos registrados e aptos para atuar na área. Eles estão preparados para lhe auxiliar no enfrentamento desse problema, utilizando a abordagem mais adequada para o seu caso. Em paralelo ao tratamento, coloque em prática algumas atitudes que irão colaborar para o seu bem-estar:

  • pratique exercícios
  • organize uma agenda de atividades
  • alimente-se de forma equilibrada
  • evite o álcool
  • regule as horas de sono
  • admire as coisas simples da vida
  • busque novidades e divirta-se
Foto (ordem de aparição): por jessicahtam, icaromoreno e Helio Mota (Flickr).

Deixe seu comentário

Comentários (2)

Você não pode deixar de ler...