Não pode se deslocar a nenhum consultório?
Encontre um psicólogo online
Acesso consultório Cadastre grátis seu consultório

Como superar a perda de um animal de estimação

<strong>Artigo revisado</strong> pelo

Artigo revisado pelo Comitê de MundoPsicologos

A perda de um animal de estimação pode ser traumática, mas seria comparável à perda de um ente querido? Neste artigo falamos sobre o tema, argumentando se seria um caso de luto ou não.

2 JUL 2018 · Leitura: min.
Como superar a perda de um animal de estimação

Superar a perda de um ente querido é um processo delicado, lento e que muitas vezes demanda uma rede de apoio, com o suporte dos mais íntimos e o acompanhamento de um psicólogo especializado em luto. Para muitos, essa dor intensa e arrebatadora também é sentida quando o vazio é deixado pelo animalzinho de estimação.

Seria exagero ou sensibilidade? A dor pela perda de um pet poderia ser equiparada à de um ente querido e provocar um processo de luto? Obviamente, trata-se de um tema que divide opiniões, não somente entre os especialistas, mas também na sociedade como um todo.

Fato é que muitas pessoas, ao perder um animal de estimação, especialmente se o tempo de convivência com o mesmo foi duradouro, sentem um vazio muito difícil de superar. São comuns os casos de tristeza profunda, que podem ser a porta de entrada para uma depressão.

A falta de compreensão dos mais próximos, sejam familiares, amigos ou colegas de trabalho, não ajuda a enfrentar a perda. Os mais críticos qualificam de excessiva a forma como a pessoa está sendo afetada e experimentando a ausência do pet. Em casos assim, é normal que a pessoa se sinta fragilizada, até mesmo pela falta de um ombro amigo para poder desabafar.

shutterstock-533339254.jpg

O que diz a ciência?

Um estudo realizado pelo Center for Human-Animal Interaction, da Faculdade de Medicina da Virgínia (EUA), no ano de 1988, demonstrou que determinadas pessoas percebem os animais de estimação como um membro mais da família. A teoria foi reforçada por uma nova investigação, 10 anos mais tarde.

Nela, a teoria do apego de John Bowlby, que explica o vínculo que um bebê desenvolve pelo cuidador, justificado por um instinto de sobrevivência, também seria aplicável à relação entre a pessoa e o animal de estimação.

É em contextos assim que a morte do pet acaba por supor um processo de luto equiparável à perda de um ser humano, especialmente em casos de doenças prolongadas ou degenerativas. E como 50% das pessoas considera que se trata de um feito indigno de processo de luto, segundo estudo do Canadian Veterinary Journal, muitos acabam recorrendo à ajuda psicológica para tratar de enfrentar a perda e conseguir lidar com a cobrança externa.

Como superar a perda do animal de estimação?

Em casos assim, o primeiro passo é normalizar a tristeza, ou seja, permitir sentir o peso da ausência e dar-se o tempo necessário para curá-la. É importante encontrar uma via para expressar esse sentimento, seja falando, escrevendo ou procurando uma terapia.

Além disso, é importante encontrar atividades para ocupar o tempo na rotina que anteriormente era dedicado ao pet; igualmente funcional pode ser adotar ou comprar outro animalzinho de estimação, que, além de ser foco de toda o carinho que era destinado àquele que já não está, será capaz de dinamizar sua rotina com novas necessidades e ritmos.

Psicólogos advertem, entretanto, que a inserção de um novo animal de estimação deve ser decidida com critério, já que uma "substituição" é incapaz de evitar a dor. A pessoa precisa se conscientizar da importância de viver cada etapa desse processo, até mesmo para evitar uma futura decepção com o novo animal, que não deve ser responsabilizado pela situação atual.

Fotos: MundoPsicologos

psicólogos
Linkedin
Escrito por

MundoPsicologos.com

Deixe seu comentário
16 Comentários
  • JUCICLEIDE BATISTA DE SOUZA

    Como linda com uma pessoa que perdeu seu animal de estimação é está depressão.

  • Vitória Arêdes

    eu estou com medo de miha cadela fox paulistinha morrer... e q o zeus o meu rottweiler brinca com ela... mas a brincadeira e moreder e ele morde no pescoco dela e fico com medo de le amorrer e ja estou cm ela ha 5 ou 6 anos.... se eu perdesse seria como se uma estaca tivesse entrado no meu coracao... ja perdi a minha primeira cadela tambem.... era uma pastor alemao linda dei o nome de pantera e meu pai comprou outro mais filhote o q chamei de leao mas pelos pelos q soltavam entrava no ralo ent meu pai mandou eles pra roça... e uqando fui la ver.. so estava o leao la..... e eu penso q e pq a pantera estav cmg a mt tempo e q fugiu pra me procurar mas n me achou e..... e..... morreu..... e agora em 2020 e 2019 o leao tb sumiu e o bolero o cavalo q fica lá, e o bolerinho tb, o filho dele... mas pelo mens a mae, a piúma estáva la da ultima vez so n sei se ainda esta la... mas torco pra estar, e eu choro msm se o animal n for meu, cm a pitucha a gatinha da minah miga antonella morreu.... e eu fiquei mt triste eu odeio perdeu animais escrev isso quase chorando so de lembrar desses animais....

  • Marina Teixeira

    Hoje perdi meu gatinho. É uma tristeza imensa olhar pra cada canto da casa e saber que ele não está. Dormir sem ele, não tê-lo na minha rotina... Sou imensamente grata por todas as alegrias que ele trouxe pra minha vida! Vou amá-lo para sempre de todo coração!

  • Jaque

    Eu perdi minha gatinha, ela sofreu um acidente e não resistiu. É triste olhar o canto que ela ficava me acompanhando enquanto eu trabalhava, ou quando eu acordo e percebo que ela não está no pé da cama, dormindo. Em todos os cantos da casa eu lembro dela, parece até que eu nunca soube aproveitar de forma suficiente o amor que ela tinha pra oferecer.

  • vitoria aredes

    eu perdi minha joaninha, a gigi, pq ela parecia uma girafinha, uma vez eu ia colocra ela no terrario dela mas ai ela caiu, eu peguei a lanterna na mesma hora e sai procurand.... eu n achei ela, estou mt trist eto choro td a hr, to chorando enquanto escrevo isso, vou tentar fazer essas dicas... e ela era realmente insubstituivel...

  • Clayton André

    A minha Chica se foi, uma gatinha linda, estava comigo há cinco anos. Estou tão mal, se continuar como estou acho que terei de dar o braço a torcer e ir atrás de ajuda médica. Foi rinotraqueíte, eu fiz o que podia, levei ao Vet, dava os remédios com dificuldade, no fim foi tudo como nadar e morrer na praia, ela morreu comigo no trajeto a uma ida ao vet, quando chegou na clínica já estava desfalecida, tentou-se a reanimação, adrenalina, nada, ela se foi, e agora? Agora é a dor, a saudade, depois do choque essa coisa estranha que fica agarrada no peito como um balão que não sai, misericórdia.

  • Carlos felix

    Perdi a minha Neta. Pinot dia 7 mais tem sido muito duro pois era uma companhera de toda rotina e alem do mais confiamos sua possivel recuperaçao a uma clinica de urgencia e eles so avisaram quado ela morreu nao pudemos nos despedir ta sendo dificil.

  • Juliana

    Na madrugada do dia 29 de agosto perdi meu gatinho. Dia 5 de setembro faz 11 meses q ele chegou aq, meu pai o encontrou muito magrinho, quase morrendo de fome, cuidei dele com muito amor. Quando ele começou a se recuperar começou a me seguir, eu ia no banheiro ele ficava na porta me esperando, entrava no meu quarto e ele queria ir junto (quase nunca deixava, pois tenho alergia), as 5 da manha ele tava na porta do meu quarto miando e n parava enquanto eu n levantava, depois ele ia comer (nunca entendi, ele queria q eu acordasse apenas pra ver ele se alimentando? kkkk), quando eu saia meu pai me dizia q ele saia miando pela casa me procurando. Por todos esses motivos os 11 meses parecem q foram toda a minha vida com ele ao meu lado Eu o amo muito, e tenho certeza de q ele sentia o mesmo. Por isso dói tanto, dói saber q ele n vai tá na porta me esperando quando eu chego, q ele n vai mais me acordar de manha sedinho, q nunca mais vou ver ele. É realmente como se alguém da família tivesse morrido, a unica diferença é q n posso chorar por ele, pq era "apenas" um gato, n era?

  • Cleilson Sousa

    Perdi meus dois príncipes, um rottweiler e um Pit Monsters, ambos com 9 meses. Mesmo vacinados com vacina importada nós foram acometidos pela vírus maldito da parvovírose. Um morreu num domingo, o outro poucos dias depois. Não encontro palavras que eu possa verbalizar que expressem a perca. Ambos eram majestosamente lindos e imponentes, mas ao mesmo tempo amáveis demais. Quando vejo falar que essas raças atacaram os tutores ou alguém da família, digo logo ser mentira. Esse cão nunca teve tutor ou nunca foi sociabilizado. Cães morrem pra defender a família. Vamos ajudar animais a abandonados, eles precisam de pessoas que saibam amar. Sempre saio com ração e distribuo quando vejo pets abandonados. Fiquem com Deus tem dos vocês e que Ele, Deus, conforte nossos corações. Sempre vou amar meus príncipes e onde quer que eu vá, eles estarão um de cada lado pois meu coração os guardará enquanto eu viver.

  • marcelo fontes

    Perdi minha filhotinha hoje, é uma dor tão profunda que não sei explicar, fica parecendo que meu peito vai explodir........por mais que tento ver as coisas positivas que vivemos ainda assim doi demais,acho que nao tenho mais lágrimas para chorar......mas tenho mais dois filhotinhos, bem velhinhos, que amo demais, eles tentam me consolar, mas espero que essa dor diminua com o tempo


Carregando...



últimos artigos sobre luto