MundoPsicologos.com
No Google Play Na App Store

Como se manifesta a violência psicológica no casal?

A violência psicológica deixa marcas na autoestima da vítima e pode abrir espaço para uma agressão física. É importante atuar assim que os sinais de abuso forem detectados.

30 Out 2015 Problemas psicológicos - Leitura: min.

psicólogos

Tão devastadora quanto a agressão física, a violência psicológica é de difícil identificação por ser um abuso oculto. A vítima que tolera essa situação pode sofrer consequências emocionais graves e, inclusive, desenvolver problemas de saúde.

Normalmente, um caso de violência psicológica tem início de forma sutil e disfarçada. As agressões começam a fazer parte da relação de maneira tão natural que a vítima interpreta o ciúme doentio como cuidado e zelo ou uma humilhação como uma simples brincadeira.

Neste artigo explicamos como reconhecer esse tipo de violência e indicamos formas de superá-lo.

Identificando o perigo

Quando a mulher deixa de fazer o que gosta, se sente culpada por determinado comportamento ou perde a sua independência por vontade do parceiro, ela já está sofrendo agressão psicológica. A violência pode se manifestar em distintas formas:

  • aumento no tom da voz
  • xingamentos
  • humilhação
  • constrangimento
  • recriminação
  • falta de respeito
  • dominação

Outras evidências da agressão psicológica são a desqualificação, os comentários maldosos e as brincadeiras que diminuem a autoestima da mulher. Aos poucos, a vítima vai perdendo o seu espaço dentro da relação, acata as decisões do parceiro mesmo contrariada e se afasta dos amigos e da família. A harmonia acaba dando lugar a discussões repletas de ofensas, que deixam a vítima acuada.

Consequências da agressão

Sem saber o que fazer e como colocar um basta na situação, muitas mulheres acabam desenvolvendo transtornos de ansiedade e alimentares, insegurança durante a relação sexual e problemas de saúde. Se a violência psicológica é tolerada, pode se tornar constante e, em alguns casos, se converter em agressão física.

flickrtheglobalpanorama.jpg

Muitas vítimas sofrem sozinhas com essa situação por vergonha de expor o problema a um familiar ou amigo. Outras preferem relevar o abuso por dependência financeira, comodidade ou simplesmente para não assumir o fracasso da relação e estar sozinhas. Para elas, a infelicidade é compensada pela falsa sensação de proteção.

Colocar um ponto final na agressão psicológica não é uma tarefa fácil, mas é a opção mais saudável. Os especialistas comentam que, se o casal decide manter a relação, é fundamental que o agressor busque voluntariamente um acompanhamento psicológico para tratar os fatores que desencadeiam a violência.

Em um primeiro momento, podem ser recomendadas sessões de psicoterapia individual, pois será necessário que o parceiro exponha suas inseguranças e trabalhe o autoconhecimento. Vale lembrar que a Lei Maria da Penha ampara as vítimas de qualquer tipo de violência doméstica e familiar, seja ela psicológica, moral, física ou sexual.

Fotos (ordem de aparição): por MundoPsicologos.com e theglobalpanorama (Flickr)

0 Curtir

Deixe seu comentário

INFORMAÇÃO BÁSICA SOBRE PROTEÇÃO DE DADOS
Responsável: Verticales Intercom, S.L.
Finalidades:
a) Envio de solicitação ao cliente anunciante.
b) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços próprios.
c) Atividades de publicidade e prospecção comercial, por diferentes meios e canais de comunicação, de produtos e serviços de terceiros de diferentes setores de atividade, podendo implicar repasse dos dados pessoais a esses terceiros.
d) Segmentação e elaboração de perfis para fins publicitários e para prospecção comercial.
e) Gestão dos serviços e aplicativos oferecidos pelo Site ao Usuário.
Legitimação: Consentimento do interessado.
Destinatários: Está previsto o repasse dos dados aos clientes anunciantes para atender suas solicitações de informação sobre os serviços anunciados.
Direitos: Tem o direito a acessar, retificar e eliminar os dados ou se opor ao tratamento dos mesmos ou a alguma das finalidades, bem como outros direitos, como se explica na informação adicional.
Informação adicional: É possível consultar a informação adicional e detalhada sobre Proteção de Dados em br.mundopsicologos.com/proteccion_datos

Comentários (3)

Você não pode deixar de ler...